Bombeiros

MAI apresenta queixa-crime contra os bombeiros por causa de fogo em Cascais

2.175

No incêndio morreu uma pessoa. O MAI fala em situação de "grave risco" resultante da ausência de comunicação dos bombeiros ao Comando Distrital de Operações de Socorro de Lisboa.

ANDRÉ KOSTERS/LUSA

O ministro da Administração Interna participou, esta sexta-feira, ao Ministério Público a situação de “grave risco” resultante da ausência de comunicação dos bombeiros ao Comando Distrital de Operações de Socorro de Lisboa de um incêndio no concelho de Cascais.

Além desta participação para eventual procedimento criminal pelo Ministério Público (MP), Eduardo Cabrita determinou também à Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) a abertura de um inquérito para apuramento de eventuais responsabilidades disciplinares.

Numa nota enviada à Lusa, o Ministério da Administração Interna (MAI) refere que a informação prestada hoje pelo presidente da ANPC ao ministro Eduardo Cabrita concluiu “pela situação de grave risco decorrente da ausência de comunicação ao Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Lisboa da ocorrência de incêndio habitacional em São Domingos de Rana, Cascais”.

O MAI sublinha que “a mesma informação reporta a violação dos deveres de zelo no âmbito do Regime Jurídico dos Corpos de Bombeiros”.

“Com base nessa informação, o ministro da Administração Interna determinou a instauração de um inquérito, por parte da ANPC, para apuramento de eventuais responsabilidades disciplinares A participação ao Ministério Público para apuramento de eventuais responsabilidades criminais”, precisa a nota do MAI.

O CDOS de Lisboa esteve mais de uma hora sem informações sobre o incêndio hoje de manhã no concelho de Cascais, que provocou um morto, disse à Lusa fonte da Proteção Civil.

Segundo a mesma fonte, o pedido de socorro para o incêndio numa habitação na freguesia de São Domingos de Rana chegou via 112 ao CDOS de Lisboa, que imediatamente acionou os meios junto dos bombeiros voluntários de Carcavelos, que se deslocaram para o local.

A mesma fonte adiantou que o CDOS de Lisboa esteve sem saber o que se passava no terreno durante mais de uma hora, tendo recebido informações sobre a ocorrência através dos serviços municipais de Cascais de proteção civil.

Segundo o INEM, o incêndio provocou a morte a uma mulher e fez com que 10 pessoas fossem assistidas por inalação de fumos, sete das quais com necessidade de receberem tratamento hospitalar.

Os bombeiros de Carcavelos são uma das corporações que aderiram ao protesto do Conselho Nacional da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP), que desde as 00:00 do passado domingo suspenderam todo o encaminhamento de informação operacional aos CDOS.

O comandante dos bombeiros voluntários de Carcavelos, Paulo Santos, disse à Lusa que a corporação recebeu a informação do incêndio através do CDOS e a partir daí acionou os meios para um incêndio urbano.

Paulo Santos adiantou que foram os bombeiros de Carcavelos que chamaram as corporações de Alcabideche e Parede, bem como acionaram a PSP e INEM, tendo ainda chegado rapidamente ao local a proteção civil municipal.

O comandante de Carcavelos confirmou que não foram reportadas informações ao CDOS, facto que “não condicionou os trabalhos” e “o socorro”.

Paulo Santos disse ainda que as primeiras informações chegaram ao CDOS através da proteção civil municipal, tendo os bombeiros de Carcavelos sido contactados pelo CDOS de Lisboa, mas “a situação já estava controlada” e não era necessário qualquer meio.

Segundo a LBP, 84% das corporações de bombeiros deixaram de reportar aos CDOS qualquer informação operacional em protesto contra as várias propostas de reforma da Proteção Civil, nomeadamente a proposta de alteração à Lei Orgânica da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), que vai passar a designar-se Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

SNS, Público ou Privado?

Fernando Leal da Costa

Só com uma generalização obrigatória do modelo da ADSE poderemos colocar todo o sistema de saúde ao serviço de todos os portugueses e investir no SNS para aquilo em que ele for mesmo insubstituível.

PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)