PS

Maria Begonha eleita líder da JS com 72% dos votos

5.470

Maria Begonha foi eleita líder da JS com 72% dos votos. Depois das polémicas em torno do seu currículo e de ter enfrentado pedidos de impugnação do congresso, a candidata única saiu mesmo vencedora.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Maria Begonha foi eleita, este domingo, a nova líder da Juventude Socialista (JS). Sem surpresas, a candidata venceu uma corrida em que participava sozinha e fê-lo com amplo apoio dos militantes: com 72,37% dos votos. Do universo de 228 votos, 165 foram a favor, 47 brancos e 16 nulos. A recém-eleita secretária-geral da JS é a 13ª líder da história da JS.

A parte final do percurso de Maria Begonha ficou manchada por polémicas. Além de ter prestado informações falsas no seu currículo e na nota biográfica que estava disponível no site oficial da sua candidatura, como o Público e o Observador noticiaram, a recém-eleita líder da estrutura viu o seu nome envolvido em casos relativos às avenças recebidas na Câmara Municipal de Lisboa.

A sucessora de Ivan Gonçalves enfrentou ainda várias tentativas de impugnação do congresso deste fim-de-semana, que acabou por ditar a sua eleição. A última foi este sábado, quando os trabalhos tiveram de ser interrompidos para que se votasse um requerimento que pedia a nulidade do  XXI Congresso da JS. O requerimento foi chumbado e os trabalhos prosseguiram.

Poucas horas depois, Pedro Nuno Santos veio ao Complexo Desportivo de Almada defender a candidata. Num discurso forte e cheio de recados políticos, o Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares garantiu que as suspeitas que recaem sobre a nova secretária-geral da JS não têm fundamento. “A Maria Begonha não mentiu no currículo”, repetiu várias vezes ao longo da sua intervenção.

Já no início desta semana, o Expresso noticiou que o Ministério Público (MP) tinha aberto um inquérito ao caso dos erros e incongruências no currículo da nova líder da jota, na sequência de uma queixa-crime apresentada pelo militante da JS Gustavo Ambrósio no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa. Uma informação que o Observador confirmou junto de fonte do MP.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmozos@observador.pt
Governo

As confusões do nepotismo na política /premium

Miguel Pinheiro
821

Pedro Nuno Santos escreveu que “ninguém deve ser prejudicado na sua vida profissional por causa do marido, da mulher, da mãe ou do pai”. Está quase tudo errado nestas 19 palavras.

Banca

Castiguem os responsáveis! /premium

Manuel Villaverde Cabral
181

A defesa tenaz de alguém como Tomás Correia faz-nos pensar que, se o PS fosse poder quando o BES faliu após toda a trafulhice, os seus líderes não se teriam atrevido a dizer não ao Sr. Ricardo Salgado

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)