Futebol

Nuno Pinto interrompe carreira de jogador aos 32 anos para lutar contra um linfoma

958

Lateral do V. Setúbal foi titular na semana passada frente ao Benfica, detetou doença em exames feitos durante a semana e vai interromper a carreira. "É um choque", diz presidente dos sadinos.

Nuno Pinto realizou 12 jogos oficiais na presente temporada, o último dos quais no fim de semana passado com o Benfica

Getty Images

Deveria ser apenas mais uma semana para Nuno Pinto mas tornou-se tudo menos isso. Depois de ter defrontado o Benfica na derrota do V. Setúbal pela margem mínima diante dos encarnados no Bonfim, foi detetado um problema de saúde ao lateral e os exames realizados confirmaram mesmo o pior cenário – o jogador português nascido em Vila Nova de Gaia que fez quase toda a formação no Boavista vai interromper a carreira no futebol para lutar contra um linfoma.

“Costuma-se dizer que por trás de um jogador está o homem. Estamos aqui com o Nuno Pinto, não enquanto jogador mas sim como homem, porque no âmbito de um exame detetado pelo nosso departamento médico foi verificado que tem um linfoma. A notícia foi um verdadeiro choque para nós mas no futebol estamos habituados a que na hora da derrota o primeiro pensamento é seguir-se uma vitória. O Nuno Pinto tem tido acompanhamento do departamento médico do Vitória, o doutor Ricardo [Lopes] tem sido incansável a acompanhá-lo em todos os procedimentos necessários. Ele entendeu transmitir a todos os colegas e staff a situação com que estava confrontado. Para evitar especulações, com o assentimento do Nuno, entendemos tornar público, sendo que é nestas horas que homens e instituições são colocados à prova. Neste caso, para nós, é fácil estar aqui nesta hora de dificuldade, por paradoxal que possa parecer. Contará com o apoio de todos nesta casa, dirigentes, staff, colegas e todos os que cá trabalham”, explicou Vítor Hugo Valente, presidente dos sadinos, citado pelo jornal O Jogo.

“Faço também um apelo público a toda a família vitoriana porque quando um dos nossos está mal, todos nós estamos mal. Por isso, convoco toda a família vitoriana a transmitir da forma que entender o apoio que nestas ocasiões é sempre importante. Estou certo que vai acontecer. Da parte do V. Setúbal, ele sabe que contará com todo o apoio na medida do possível. Sendo o Nuno um lutador, estando garantido o apoio, estamos certos que irá vencer esta batalha. É de realçar o que ele nos disse, que aquilo que queria para o ajudar era que continuássemos a ganhar. É isso que vamos fazer porque o Nuno merece e porque estamos todos convictos que irá ganhar esta batalha”, acrescentou na conferência que contou também com todo o plantel. O médico Ricardo Lopes falou num “prognóstico bom”, dizendo que a situação já está a ser acompanhada pelo IPO de Lisboa. “O tipo e extensão do linfoma estão ainda dependentes dos resultados dos exames realizados e que vai realizar”, realçou.

Nuno Pinto chegou ao V. Setúbal em 2015 e disputou a final da última edição da Taça da Liga com o Sporting (MIGUEL RIOPA/AFP/Getty Images)

“Ele é um guerreiro e Deus dá grandes batalhas aos grandes guerreiros. Todos temos a certeza que o Nuno vai vencer esta batalha. Tem a ajuda de grandes profissionais e de grandes pessoas. Da família, dos pais, dos filhos, da mulher, toda a gente vai ajudá-lo nesta batalha. Estaremos sempre com ele, em qualquer hora ou em qualquer momento. Ele é um dos nossos e nunca deixamos cair um dos nossos. Daqui a uns tempos vamos lembrar isto como mais uma batalha que vencemos. É um grande homem, uma grande pessoa e um grande pai. Ele vai vencer”, disse o capitão do V. Setúbal, Vasco Fernandes, em nome de todo o grupo de trabalho, e numa altura em que Nuno Pinto não conseguiu evitar as lágrimas de emoção pelo momento.

Depois de ter começado a jogar no Vilanovense, Nuno Pinto foi ainda como infantil para o Boavista, onde fez toda a formação entre alguns empréstimos entre Pasteleira, Candal e Vilanovense. Estreou-se em 2006/07 nos seniores dos axadrezados mas saiu por empréstimo para o Trofense na temporada seguinte, pela pouca utilização. Em 2008, assinou pelo Nacional, ficando três anos e meio na Madeira até iniciar quatro temporadas e meia no estrangeiro, entre Bulgária (Levski Sófia), Ucrânia (Tavriya) e Roménia (Astra Giurgiu). Regressou em 2015 à Liga portuguesa pelo V. Setúbal, assumindo-se desde início como titular na equipa dos sadinos como lateral ou ala, mediante as necessidades da equipa. Esta época, levava já 12 partidas oficiais (dez a contar para o Campeonato, uma para a Taça de Portugal e uma para a Taça da Liga).

Esquerdino fez quase toda a formação no Boavista, onde se estreou como sénior na época de 2006/07 (MIGUEL RIOPA/AFP/Getty Images)

Esta sexta-feira, e com alguma surpresa depois de ter sido titular no fim de semana passado contra o Benfica, Nuno Pinto ficou de fora das opções de Lito Vidigal no encontro frente ao Portimonense, tendo o clube informado que iria convocar uma conferência de imprensa para este domingo para explicar toda a situação que envolvia o lateral. Na mesma, além de Nuno Pinto e Vítor Hugo Valente, estiveram ainda todos os jogadores do plantel sadino, equipa técnica, staff ligado ao futebol, funcionários do cube, família e alguns associados, num total a rondar as 70 pessoas num momento particularmente delicado.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)