Rádio Observador

Tailândia

Centenas de turistas retidos em ilhas na Tailândia devido a tempestade tropical

Turistas ficaram retidos nas ilhas do Golfo da Tailândia, com aeroportos regionais fechados e barcos ancorados. A tempestade tropical Pabuk atravessa o país com chuvas torrenciais e ventos fortes.

Centenas de turistas ficaram esta sexta-feira retidos nas ilhas do Golfo da Tailândia, com aeroportos regionais fechados e barcos ancorados, devido à tempestade tropical Pabuk, que atravessa o sul do país com chuvas torrenciais e ventos fortes. Segundo a agência noticiosa France-Presse, a tempestade Pabuk intensificou-se nas últimas horas, com ventos de 75 quilómetros por hora (km/h) e ondas de até cinco metros.

Perto da fronteira com a Malásia, um pescador da província de Pattani morreu e outro membro da tripulação encontra-se desaparecido, após ondas de vários metros atingirem a embarcação, no momento em que regressava ao porto.

São esperadas chuvas torrenciais e ventos fortes em mais de 12 províncias, contudo as de Nakon Si Thammarat e Surat Thani, que incluem as ilhas turísticas de Koh Samui, Koh Tao e Koh Phangan, serão as mais atingidas. No mapa, consegue ver o trajeto que a tempestade Pabuk fará sobre as ilhas do Golfo da Tailândia.

Previsão do trajeto que a tempestade Pabuk fará sobre as ilhas do Golfo da Tailândia (fonte: CNN)

Todas as ilhas do Golfo “serão afetadas porque Pabuk é enorme”, alertou Phuwieng Prakhammintara, diretor do Centro Meteorológico da Tailândia, em conferência de imprensa. Segundo as previsões meteorológicas, a tempestade Pabuk não deve, no entanto, transformar-se num tufão, o que implica ventos de pelo menos 118 km/h.

Na quinta-feira, milhares de turistas começaram a sair de várias ilhas no golfo da Tailândia com a aproximação da tempestade tropical Pabuk. Da ilha de Koh Phangan, uma das mais turísticas do país, as ligações marítimas para os restantes destinos no golfo tailandês foram suspensas às 12h30 (5h30 em Lisboa), prevendo-se que reabram no sábado à tarde, disse à Lusa uma das empresas gestora de serviços de ferry, Songserm.

Já depois da passagem do ano, entre 30 e 50 mil pessoas deixaram Koh Phangan, afirmou à agência de notícias France-Presse (AFP) o chefe do distrito, Krikkkrai Songthanee.

Apesar de as autoridades não terem emitido qualquer ordem de retirada, milhares de turistas começaram a sair na quarta-feira, antecipando o impacto da tempestade, que deverá atingir as ilhas de Koh Samui, Koh Phangnan e Koh Tao na sexta-feira à noite.

“Muitos turistas saíram, mas houve também muita gente que preferiu ficar, especialmente os residentes locais, que ficaram quase todos”, disse à Lusa um funcionário de uma unidade hoteleira de Koh Phangnan, Guilherme Toyosato. De acordo com o brasileiro, os que ficaram estão a prevenir-se com o abastecimento de bens essenciais. Também em Koh Samui, as autoridades anunciaram que estão a preparar abrigos para aqueles que decidiram não partir.

Pabuk é a primeira tempestade tropical a atingir esta zona do país fora da estação das monções em quase 30 anos. “Esperamos ondas com cinco a sete metros, perto do coração da tempestade. Normalmente, no golfo da Tailândia, há apenas ondas de dois metros de altura”, disse o diretor do Centro Meteorológico da Tailândia, num comunicado à imprensa.

Pabuk, nome de um peixe-gato gigante existente no Laos, deverá causar fortes chuvas noutros destinos turísticos no mar de Andaman, como Krabi, e nas províncias vizinhas da Malásia, Pattani, Narathiwat e Yala.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)