Justiça

Falta de documentos impede emissão de mandado de prisão de Armando Vara

12.854

Juíza responsabiliza Relação do Porto por atrasos na passagem de mandados de prisão de Vara e restantes arguidos do Face Oculta. Ex-ministro disponibilizou-se para ser preso no dia 12 de dezembro

HUGO AMARAL/OBSERVADOR

Falhas do Tribunal da Relação do Porto e pedidos de prescrição de última hora — são estas as razões principais para que Armando Vara e os restantes três arguidos do processo Face Oculta cujas sentenças de prisão efetiva já transitaram em julgado ainda não tenham sido presos. Quem o diz é a juíza Marta de Carvalho, titular dos autos, num comunicado emitido esta segunda-feira pelo Tribunal Judicial de Aveiro.

O comunicado revela ainda que Armando Vara apresentou-se aos autos no dia 12 de dezembro de 2018, por ter sido notificado do indeferimento do seu último recurso no Tribunal Constitucional, para afirmar que aceitava o “trânsito imediato da decisão” e declarar: “pretender apresentar-se voluntariamente para iniciar o cumprimento da pena nos termos que lhe foram determinados”.

Isto é, o ex-ministro-adjunto de António Guterres está à espera há quase um mês que o Tribunal Judicial de Aveiro, que o condenou a pena de prisão de cinco anos de prisão efetiva pela prática de três crimes de tráfico de influência, o informe de quando deve apresentar-se no Estabelecimento Prisional de Évora — a prisão por si escolhida e pela Direção-Geral dos Serviços Prisionais para cumprir a pena.

A juíza Marta de Carvalho ainda não emitiu o respetivo mandado de detenção e condução à prisão por entender que ainda não tem todos os documentos dos autos na sua posse para apreciar a promoção do Ministério Público nesse sentido. Segundo o comunicado, os autos relativos a Armando Vara e a Manuel Guiomar, ex-funcionário da Refer igualmente condenado a uma pena de prisão de a seis anos e meio de prisão efetiva por um crime de corrupção e quatro crimes de burla, têm “carimbo de entrada de 4 de janeiro” (o primeiro dia de trabalho dos tribunais após férias judiciais), sendo que os autos enviados pela Relação do Porto a 27 de dezembro são “omissos” em “dois apensos” — um apenso com três volumes e outro com dois volumes. Daí a magistrada ter requerido à Relação do Porto este domingo, 6 de janeiro, o envio da documentação em falta, nomeadamente a “certificação anterior da tramitação anterior ao acórdão do Tribunal Coletivo, designadamente os termos de identidade e residência de qualquer dos arguidos recorrentes, instrumentos de procuração, notificações de atos processuais, autos de interrogatório judicial e despachos relativos a eventuais medidas de coação, certificação de mandados ou autos de detenção”, lê-se no comunicado.

A falta de documentação, que alegadamente será da responsabilidade da Relação do Porto, explica-se da seguinte forma:

  • Como os recursos dos 11 arguidos condenados a prisão efetiva estão a correr a velocidades diferentes, têm sido emitidos os respetivos traslados. Tais traslados consistem nos recursos apresentados, acompanhados de uma pequena parte dos documentos que fazem parte dos autos que a respetiva defesa tenha juntado;
  • Ou seja, o processo principal está ‘partido’ em vários traslados e a sua versão integral encontra-se na Relação do Porto — e não no Tribunal Judicial de Aveiro.

Tal como o Observado já noticiou, a Relação do Porto enviou para o Tribunal Judicial de Aveiro os autos relativos a quatro arguidos condenados a penas de prisão efetivas. Além de Armando Vara e Manuel Guiomar, também João Tavares, ex-funcionário da Petrogal, e Manuel Gomes, ex-engenheiro, estão à espera dos respetivos mandados de detenção. Contudo, e ao contrário de Vara, Manuel Gomes não se conforma com o trânsito em julgado decretado no dia 2 de novembro de 2018 e já alegou a prescrição do procedimento criminal aberto contra si, informa a juíza Marta de Carvalho.

O mesmo pedido foi feito por Hugo e João Godinho, respetivamente sobrinho e filho do sucateiro Manuel Godinho. O comunicado não esclarece quais foram as decisões tomadas pela juíza Marta de Carvalho em relação a esses requerimentos.

MP pediu aceleração processual e juíza crítica Relação do Porto

Certo é que o Ministério Público de Aveiro deduziu incidente de aceleração processual junto da juíza Marta de Carvalho no dia 20 de dezembro, tendo a magistrada remetido o mesmo ao Conselho Superior de Magistratura, lê-se no comunicado do Tribunal Judicial de Aveiro que não esclarece, contudo, se já houve alguma decisão do órgão de gestão dos juízes sobre essa matéria.

Ao que o Observador apurou, esse incidente de aceleração processual diz apenas respeito a João Tavares, o primeiro arguido a ter os autos no Tribunal Judicial de Aveiro para emissão do respetivo mandado de detenção.

O comunicado do Tribunal Judicial de Aveiro faz um histórico do ‘caminho’ processual seguido pelos diferentes recursos apresentados no Tribunal da Relação do Porto, sendo evidente a constatação de diversas falhas apontadas a este tribunal superior.

Apesar da Relação do Porto ter decidido rejeitar a 5 de abril de 2017 a esmagadora maioria dos recursos apresentados pelos arguidos condenados em primeira instância, a juíza Marta de Carvalho assegura que a primeira certidão do acórdão proferido com nota de trânsito em julgado só chegou a Aveiro a 11 de dezembro de 2017. O arguido Ricardo Anjos foi o primeiro a ter essa certidão essencial para o tribunal de primeira instância dar o processo como findo.

A 14 de junho de 2018, continua o comunicado, chegou a informação da Relação do Porto de que “João Tavares não tinha interposto recurso do acórdão daquela Relação, ‘para os efeitos tidos por convenientes designadamente a execução da decisão’ de prisão de cinco anos e 9 meses, não constando, porém, a data do respetivo trânsito”, lê-se no comunicado.

Por último, a juíza Marta de Carvalho informa ainda que solicitou a 5 de dezembro de 2018 ao Supremo Tribunal de Justiça e à Relação do Porto que enviassem “informação atualizada sobre as condenações já transitadas em julgado, com certificação da data do respetivo trânsito”. A resposta da Relação do Porto chegou a 27 de dezembro, tendo os desembargadores determinado, por promoção do Ministério Público naquele tribunal, que os autos relativos a Armando Vara e a Manuel Guiomar baixassem ao tribunal de primeira instância para se juntarem aos autos de João Tavares e e Manuel Gomes, de forma a que as respetivas penas de prisão fossem executadas.

O problema é que faltam papéis.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: lrosa@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)