Rádio Observador

Infarmed

Infarmed alerta para ilegalidade de mais produtos para emagrecimento e disfunção erétil

O produto Stiff Days, destinado ao tratamento da disfunção erétil, é ilegal. O UP Life e o Moder Diet, destinados ao emagrecimento, foram outros dois medicamentos detetados e considerados ilegais.

Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed)

Autor
  • Agência Lusa

A Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed) alertou para a existência de mais dois produtos para emagrecimento e outro de disfunção erétil que contêm substâncias que só podem ser utilizadas em fármacos e sem autorização de venda em Portugal. Segundo uma nota do Infarmed, os três produtos, que foram agora detetados na Alfândega, contêm substâncias que só podem ser usadas em medicamentos e a sua utilização é proibida em Portugal.

Na nota disponível esta quinta-feira na página da Internet da Autoridade do Medicamento, o Infarmed alerta para a ilegalidade do produto Stiff Days, em cápsulas, que contém substâncias destinadas ao tratamento da disfunção erétil. “Após análise no laboratório do Infarmed, verificou-se que este produto contém a substância ativa sildenafil, que se destina à melhoria do desempenho sexual”, refere o Infarmed.

A Autoridade do Medicamento salienta que não está garantida a qualidade, segurança e eficácia do produto, por isso, a sua utilização é proibida em Portugal.

O UP Life, em cápsulas, foi outro dos produtos detetado na Alfândega, tendo-se verificado após análise que contém as substâncias ativas hidroclorotiazida (com efeitos diuréticos) e sibutramina (substância destinada ao emagrecimento e que foi retirada do mercado europeu, por constituir um risco para a saúde.

O Infarmed detetou também o produto Moder Diet, em cápsulas, com substâncias ativas hidroclorotiazida, a qual tem efeitos diuréticos, e sibutramina, destinada ao emagrecimento e que foi retirada do mercado europeu, por constituir um risco para a saúde.

Por isso, o Infarmed alerta as entidades que dispõem destes produtos para que não os podem “vender, dispensar ou administrar” e que devem comunicar de imediato com a autoridade do medicamento. “Os utentes que disponham destes produtos não os devem utilizar, devendo entregar as embalagens em causa na farmácia para posterior destruição, através da Valormed”, adianta o Infarmed.

O produto tem, provavelmente, origem em vendas através da Internet, não tendo sido, segundo o Infarmed, detetado no circuito legal de venda de medicamentos (por exemplo, farmácias).

Na semana passada, o Infarmed já tinha alertado para a deteção na Alfândega dos produtos PowerFite e Diet Slim, dois “medicamentos ilegais” por não terem autorização de introdução no mercado em Portugal e conterem substâncias ativas que apenas podem ser utilizadas em fármacos.

Estes produtos, em cápsulas, contêm substâncias destinadas ao tratamento da hipertensão, obesidade e ansiedade. Dias depois, o Infarmed alertou para a ilegalidade dos produtos “Redux -Redutor de Medidas” e “Composto Natural Dieta” com substâncias destinadas ao tratamento da hipertensão, obesidade, ansiedade e obstipação.

Na quarta-feira, o Infarmed alertou que o produto Japan Tengsu é um “medicamento ilegal” por conter substâncias destinadas ao tratamento da disfunção erétil que apenas podem ser utilizadas em fármacos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)