Venezuela

Forças Armadas da Venezuela reiteram lealdade a Nicolás Maduro

O reconhecimento das Forças Armadas foi feito pelo ministro venezuelano da Defesa durante um ato de saudação das tropas a Nicolás Maduro, após o Presidente ter tomado posse para novo mandato.

As Forças Armadas Venezuelanas (FAV) reconheceram a autoridade de Nicolás Maduro como Presidente da Venezuela para o período 2019-2025

Cristian Hernandez/EPA

As Forças Armadas Venezuelanas (FAV) reconheceram na quinta-feira a autoridade de Nicolás Maduro como Presidente da Venezuela para o período 2019-2025, reiterando lealdade ao chefe de Estado. O reconhecimento foi feito pelo ministro venezuelano da Defesa, Vladimir Padrino López, durante um ato de saudação das tropas a Nicolás Maduro, na Academia Militar da Venezuela, após o Presidente ter tomado posse para um novo mandato.

“Acatamos sem hesitar o seu mandato único e indiscutível liderança, para dirigir os destinos da pátria nos próximos seis anos, e reconhecemo-lo como nosso comandante-chefe”, disse o ministro, que vincou que as eleições presidenciais antecipadas de 20 de maio de 2018 foram “legítimas”.

Segundo Vladimir Padrino Lopez, as FAV “reiteram o seu indefetível caráter bolivariano, anti-imperialista e anti-oligárquico”. O ministro venezuelano disse falar em nome do Exército, da Marinha, da Aviação Miliar, da Guarda Nacional (polícia militar) e da milícia bolivariana, distribuídos por oito Regiões Estratégicas de Defesa Integral, a região capital, central, ocidental, de Los Andes, de Los Llanos, Oriental, de Guayana e Marítima Insular.

Por outro lado, Nicolás Maduro, que na quinta-feira tomou posse para um novo mandato, explicou que o seu Governo está a ter “uma batalha épica, única, heróica, para dizer ao mundo que a Venezuela se respeita e que a Venezuela é governada pelos venezuelanos”, sem intervenção nem ingerência de nenhuma potência imperial.

“Chegou o tempo de aprofundar a revolução militar da Venezuela e a revolução que implique a aplicação do conceito, doutrina, moral e o sistema de armas na prática”, acrescentou. O chefe de Estado venezuelano disse ainda jurar que, como Presidente da Venezuela, como cidadão, “jamais falhará” aos militares e que estará ao serviço das grandes causas da pátria.

Nicolás Maduro, tomou posse na quinta-feira, perante o Supremo Tribunal de Justiça, como Presidente da Venezuela para o período 2019-2025. Segundo o Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela, Maduro foi reeleito para um novo mandato presidencial nas eleições antecipadas de 20 de maio de 2018, com 6.248.864 votos (67,84%).

Um dia depois das eleições, a oposição venezuelana questionou os resultados, alegando irregularidades e o não respeito pelos tratados de direitos humanos ou pela Constituição da Venezuela. Vários países já manifestaram não reconhecer o novo mandato de Nicolás Maduro. Entretanto, o chefe de Estado anunciou que na próxima segunda-feira anunciará novas medidas económicas para o país.

A crise político-económica e social levou, segundo dados das Nações Unidas, a que quase três milhões de venezuelanos tenham abandonado o país, desde 2015, sobretudo para países vizinhos da América Latina.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)