Brexit

Trabalhistas e coletes amarelos numa manifestação contra austeridade em Londres

A manifestação acabou em confrontos entre manifestantes que defendem o Brexit e os que estão contra a saída do Reino Unido da União Europeia.

TOLGA AKMEN/AFP/Getty Images

O ‘numero dois’ do Partido Trabalhista britânico, John McDonnell, liderou este sábado uma manifestação em Londres contra as medidas de austeridade do governo conservador de Theresa May, com muitos manifestantes a envergarem coletes amarelos em solidariedade com os franceses.

No final do desfile, em Trafalgar Square, McDonnell leu perante a multidão uma mensagem do líder trabalhista, Jeremy Corbyn, na qual pediu eleições antecipadas para criar uma “sociedade mais justa e igualitária”.

Corbyn disse que o seu partido “está preparado para assumir o poder” se o executivo ‘tory’ da primeira-ministra Theresa May perder na próxima terça-feira a votação relativa ao acordo de saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit).

Se o acordo for chumbado, os trabalhistas — primeira força de oposição na Câmara dos Comuns — pretendem lançar uma moção de censura, uma vez que acreditam ter o apoio necessário para que ela passe, levando à demissão do Governo e a eleições antecipadas.

Milhares de pessoas de diversas idades e proveniências, entre as quais sindicalistas e pessoas vindas de França, participaram na marcha no centro londrino, organizada pelo grupo contra a austeridade Assembleia do Povo. A porta-voz deste grupo, Romana McCartney, disse que a manifestação com coletes amarelos pretende “retomar o espaço político monopolizado pelo Brexit e expressar solidariedade com a esquerda e com a classe trabalhadora francesa”.

Entre os participantes estiveram Laurie Martin, de 26 anos, e Erick Simon, de 57, ambos da Normandia, em França, que se solidarizaram com os britânicos porque, explicou Martin, as suas exigências são as mesmas que as de todos os que lutam contra a austeridade na Europa. “Todos os países europeus deveriam unir-se nesta batalha contra a austeridade”, apontou Simon.

Nos últimos dias houve também pequenas manifestações nas imediações do parlamento britânico por parte de elementos da extrema-direita que, em alguns casos, levavam, também eles, coletes amarelos.

A polícia de Londres aumentou a segurança na zona depois de alguns deles ameaçarem políticos e jornalistas, no decurso de um aumento de tensão devido ao Brexit.

A Scotland Yard adiantou este sábado que deteve um dos presumíveis instigadores, James Goddard, que enfrenta uma possível acusação por perturbação da ordem pública por ter chamado ‘nazi’ à deputada conservadora Anna Soubry.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Japão

Pegar o touro pelos cornos /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não deixa de ser irónico que as potências por detrás da intransigência doutrinária da Comissão Baleeira Internacional sejam as mesmas que, no século 19, exigiram ao Japão que lhes abrisse os portos...

Governo

2019 no mundo e em Portugal

Inês Domingos

Vinte anos depois do calendário, passada a crise, 2019 é o ano em que política, social e economicamente entramos realmente no novo século. Este Governo está aflitivamente impreparado para o enfrentar.

Política

O Povo é sempre o mesmo

Pedro Barros Ferreira

Trump e Bolsonaro não apareceram de gestação expontânea, antes pela sementeira criada pelos partidos e políticos que nada fazem, mas que dizem que tudo deve mudar para que, afinal, tudo fique na mesma

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)