Morreu um dos quatro tripulantes que ia a bordo do helicóptero da polícia militar (PM) do estado brasileiro Rio de Janeiro que caiu esta segunda-feira, por volta das 9h00 locais (11h00 em Lisboa), na Baía de Guanabara, avança o jornal brasileiro O Estadão. 

A bordo do helicóptero Fénix da Polícia Militar, estavam quatro tripulantes — dois oficiais e dois praça, avança a cadeia de televisão Globo. A aeronave pertencia ao Grupamento Aeromarítimo (GAM) e estava a realizar uma ação de patrulhamento.

Por volta das 9h50 (hora local) uma equipa do Corpo de Bombeiros conseguiu retirar os quatro militares da água ainda com vida, avança a mesma fonte. Segundo informações veiculadas pelo jornal brasileiro, um dos tripulantes chegou a ficar submerso e ainda houve uma tentativa de reanimação no local durante 20 minutos, mas acabou por não resistir. Os restantes três tripulantes foram transportados para o Hospital Central da Polícia Militar e estão a ser observados, desconhecendo-se, para já, para mais pormenores relativamente ao estado de saúde.

A vítima mortal, Felipe Marques de Queiroz, é um sargento de 37 anos, casado e com três filhos. Estava na corporação desde 2005.  No local estiveram bombeiros, helicópteros e barcos.

O helicóptero estava a fazer uma ação de patrolhamento e terá forçadamente tentado pousar na água. Nas redes sociais já circulam imagens de um outro helicóptero da PM a sobrevoar o local.

Uma faixa da Linha Vermelha, uma das principais vias do Rio de Janeiro, esteve interdita para a operação de resgate, acrescentou a polícia.

As causas do acidente serão investigadas pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA) e pelo Centro de Criminalística da Polícia Militar.

O helicóptero Fénix, com o modelo AS 350 BA, foi fabricado em 1998 pela Helibras e o seu Certificado de Aeronavegabilidade – documento que comprova que uma aeronave está em condições para voar – expira a 15 de janeiro de 2022. A aeronave pode transportar até cinco passageiros e tem um peso de descolagem de 2,1 toneladas.

(Artigo atualizado às 15h36 com a vítima mortal)