Jerónimo De Sousa

CDS, Bloco, PS e PSD de Loures exigem esclarecimentos à autarquia sobre contratos com genro de Jerónimo de Sousa

2.911

O CDS junta-se a PSD, PS e Bloco, que pediram explicações de todos os contratos adjudicados ao genro de Jerónimo de Sousa, bem como os critérios das mesmas. E já enviaram requerimentos.

NUNO VEIGA/LUSA

Depois de PSD, Partido Socialista e Bloco de Esquerda terem pedido explicações à Câmara Municipal de Loures sobre as notícias da TVI referentes aos contratos que a autarquia adjudicou ao genro do secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, chegou a vez do CDS. Os centristas pedem explicações ao município liderado por Bernardino Soares e exigem que sejam fornecidos todos os detalhes dos contratos sob suspeita.

Num comunicado enviado às redações, a concelhia de Loures do CDS anuncia que vai solicitar à autarquia comunista que lhes sejam fornecidos “todos os contratos que foram adjudicados à empresa em causa”, “os orçamentos das empresas concorrentes”, “os respetivos cadernos de encargos” e a “informação que tem o Senhor Presidente sobre os trabalhos”. E completa: “o CDS-PP Loures irá, de uma forma responsável, solicitar os esclarecimentos necessários, através da sua representante na Assembleia Municipal”.

Esta é a mais recente reação partidária à polémica. Já neste fim-se-semana, o PSD-Loures tinha divulgado um comunicado que ia no mesmo sentido, na página da concelhia no Facebook. Os sociais-democratas dizem repudiar e condenar “todo o processo” e pedem averiguações para saber se há “algum ilícito criminal”.

Críticas que se juntaram aquelas que já haviam sido feitas no sábado pelas estruturais de Loures do PS e do BE. “O Bloco de Esquerda, na senda do que tem vindo a defender no concelho, entende que têm de ser prestados amplos esclarecimentos sobre a matéria em apreço”, escreveu o Bloco de Esquerda em comunicado.

O partido entende que os factos apresentados na reportagem da TVI “levantam fortes suspeitas sobre a transferência dos procedimentos utilizados” na adjudicação destes contratos e refere que já não é a primeira vez que se verificam situações pouco claras na gestão do município.

Por isso mesmo, os bloquistas exigem esclarecimentos, num requerimento que já deu entrada na Assembleia Municipal de Loures. O BE de Loures quer não só ter acesso às cópias dos contratos, dos cadernos de encargos, mas também quer esclarecimentos precisos sobre os montantes envolvidos nas adjudicações em causa, bem como os critérios de adjudicação.

“Neste mandato, como no anterior, o BE remeteu diversos requerimentos a solicitar esclarecimentos à Câmara Municipal de Loures sobre procedimentos com contornos pouco claros e que em nada abonam em favor da transparência”, indica, numa nota enviada à imprensa, o bloquista Fabian Figueiredo.

Já a concelhia de Loures do PS enviou um comunicado, assinado pelo presidente da estrutura, Ricardo Leão, a dar conta que os vereadores e deputados municipais socialistas subscreveram “um requerimento de urgência”, dirigido a Bernardino Soares.

No documento, exigem as seguintes respostas: “cópia dos contratos em causa; cópia dos respetivos cadernos de encargos; quantas empresas foram consultadas em cada uma das adjudicações; cópia dos relatórios dos trabalhos efetuados e respetivos pagamentos; cópia dos contratos, cadernos de encargos e montantes financeiros envolvidos com a anterior entidade que realizava esse trabalho e respetivos relatórios”.

Ricardo Leão ressalva que, de momento, os socialistas de Loures vão “aguardar responsavelmente por estas respostas”, até porque não querem entrar “em posições demagógicas, populistas ou oportunistas”. Mas deixam uma farpa à CDU, recordando atitudes passadas dos comunistas para com o PS.

“A mesma CDU que hoje diz ‘que é feio usar a família como arma de arremesso e de ataque’ é a mesma CDU que no passado usou e abusou dessa arma para atacar o PS na gestão do município de Loures”, indica Ricardo Leão.

PSD ataca gestão da CDU (e a anterior do PS também)

Se a CDU o fazia no passado, o PSD continua a fazê-lo no presente. Num comunicado divulgado também este sábado, na página da estrutura local no Facebook, o PSD Loures lembra que “durante a gestão do município pelo Partido Socialista, existiram nomeações de pessoal dirigente, avenças e adjudicações diretas pouco transparentes e de origem duvidosa a familiares do Presidente da Câmara de então”.

Um caso que chegou a ter impacto mediático quando foi conhecido que no terceiro mandato de Carlos Teixeira, o socialista tinha dado emprego à mulher, à filha, a dois cunhados e à nora.

Ainda assim, o grosso das críticas vai para a CDU e para os factos revelados pela TVI, que o partido diz mostrarem uma “prática de gestão (embora legal), bastante questionável ao nível da transparência, da concorrência e da séria gestão municipal.”

O PSD insinua que pode haver mais casos como este e pede que se averigue se há ou não algum ilícito criminal. No comunicado assinado pela Comissão Política do PSD de Loures é ainda anunciado que os deputados municipais do partido vão propor a criação de um Grupo de Trabalho para “poder fiscalizar, com carácter de urgência, não apenas este caso (que esperamos seja Isolado), mas também, todas as adjudicações directas feitas, nos últimos anos, em todos os pelouros do Município”

Na origem destas reações políticas, está a reportagem da TVI que conta que Jorge Bernardino, casado com Marília de Sousa, filha do secretário-geral do PCP, celebrou com a Câmara Municipal de Loures um total de seis contratos desde 2015 por serviço como limpezas de vidros, trocas de cartazes ou substituição de lâmpadas — serviços para os quais aquele ex-talhante e trabalhador de supermercado não teria experiência. Todos somados, os contratos valeram ao genro de Jerónimo de Sousa mais de 150 mil euros. Os contratos foram celebrados depois de Jorge Bernardino ter estado desempregado perto de três anos.

Nos últimos meses de 2018, refere ainda a reportagem, Jorge Bernardino chegou a faturar 11 mil euros por mês com serviços prestados à autarquia de Loures. Em outubro de 2018, terá recebido essa quantia por ter mudado oito lâmpadas e dois casquilhos. Em novembro do mesmo ano, também ganhou 11 mil euros, tendo efetuado a mudança de 10 lâmpadas e a substituição de 160 cartazes publicitários.

Em entrevista à estação de televisão, o presidente da Câmara Municipal de Loures, Bernardino Soares, tinha justificado as quantias praticadas dizendo que estes “são os preços do mercado”. Depois de a reportagem ter sido emitida, a Câmara de Loures rejeitou, em comunicado, “eventuais promiscuidades” nos contratos por ajuste direto. Já o PCP emitiu um comunicado em que fala de “uma abjeta peça de anticomunismo sustentada na mentira, na calúnia e na difamação”, acusando aquele canal de televisão de sucumbir à “mercenarização do papel jornalístico”.

(Artigo atualizado às 11h41 desta segunda-feira, 21, com a posição do CDS-PP Loures)

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nvinha@observador.pt
Governo

Fomos aldrabados

Fernando Leal da Costa

Finanças “sãs” não se podem construir à custa da perda do direito à proteção da saúde da população, mas o saldo deste governo são piores serviços, pior acesso, falta crónica de dinheiro e mais dívida.

Igreja Católica

A Europa e a Páscoa dos Cristãos no Mundo

Raquel Vaz-Pinto
209

Ao celebrar a Páscoa e a sua compaixão devíamos reflectir sobre os sacrifícios dos cristãos que vivem longe e fazer a pergunta difícil e dolorosa: conseguiríamos manter a Fé e de seguir o seu exemplo?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)