Rádio Observador

Futebol

Ronaldo bisou mas a Juventus não foi além de um empate com o Parma de Bruno Alves (3-3)

104

A Juventus esteve a vencer o Parma de Bruno Alves por dois golos em duas ocasiões mas acabou por permitir o empate nos descontos. Cristiano Ronaldo bisou na partida e Cancelo foi titular.

O avançado português voltou aos golos depois de dois jogos pouco conseguidos mas não conseguiu vencer

AFP/Getty Images

Costuma dizer-se, nos meandros do futebol, que em equipa que ganha não se mexe. Ora, por raciocínio básico, percebe-se que o contrário também será verdade. Terá sido isso que Massimiliano Allegri pensou este sábado, quando teve de tomar as últimas decisões sobre o onze da Juventus que iria defrontar o Parma e que tinha como missão apagar os fantasmas deixados pela derrota a meio da semana com a Atalanta que significou a eliminação da Taça de Itália (e que teve ondas de choque no dia seguinte, com Andrea Agnelli a manter uma reunião de emergência durante mais de uma hora com Allegri).

Face ao jogo da passada quarta-feira, o treinador italiano fez sete alterações: saíram Szczesny, De Sciglio, Chiellini (este por lesão), Alex Sandro, Bentancur, Bernardeschi e Dybala; entraram Mattia Perin, João Cancelo, Cáceres, Spinazzola, Pjanic, Douglas Costa e Mandzukic. Cristiano Ronaldo manteve-se no onze e tinha agora como objetivo regressar às boas exibições e aos bons resultados, depois de dois jogos pouco conseguidos e de dificuldade extrema para a Juventus — a vitória frente à Lazio e a derrota com a Atalanta. O adversário deste sábado era o Parma de Bruno Alves, central que foi associado à vecchia signora durante a totalidade do derradeiro dia do mercado de transferências e que interessava a Allegri para colmatar as lesões de Bonucci, Chiellini e Barzagli, que deixaram Cáceres e Rugani como os únicos jogadores aptos a cumprir a posição no eixo da defesa.

Durante 35 minutos, a Juventus controlou por completo o Parma e foi reduzindo minuto a minuto o espaço disponível que a equipa orientada por Roberto D’Aversa tinha para jogar. João Cancelo fazia o que queria do corredor direito, beneficiado pela falta de dobra defensiva de Gervinho e Cristiano Ronaldo desequilibrava na ala contrária, aproveitando o entendimento quase perfeito com Mandzukic — e que em tanto é superior à ligação do jogador português com Dybala. O regresso de Pjanic ao meio-campo dos italianos, depois de já ter sido suplente utilizado contra a Atalanta, garantia um apoio acrescido à construção e permitia uma maior liberdade a Khedira, que apareceu várias vezes em zona de finalização, e a Matuidi, muito forte à entrada da área a distribuir jogo para Ronaldo ou Douglas Costa.

Face a um Parma muito macio e altamente inofensivo, a Juventus chegou a aplicar uma pressão tão intensa que se assemelhava a um jogo de futsal: passes curtos em espaço reduzido e a menos de quatro ou cinco metros da baliza. Um minuto depois de Khedira mostrar que o primeiro golo era uma questão de tempo, com um remate ao poste que Sepe só poderia defender com os olhos, Cristiano Ronaldo surgiu novamente descaído na esquerda a receber um passe de Matuidi: mesmo com uma escorregadela pelo meio, o avançado português rematou cruzado e beneficiou de um ressalto num dos defesas do Parma para inaugurar o marcador e regressar aos golos. O primeiro da Juventus, muito festejado pelas bancadas e pelos jogadores, teve dedicatória especial para a namorada Georgina, já que o pai da espanhola morreu durante a passada semana.

Sem desacelerar muito mas com a tranquilidade compreensível de quem está a ganhar de forma fácil, a Juventus terminou a primeira parte à beira do segundo golo, com mais um remate cruzado de Ronaldo, e com a noção clara de que bastava eficácia para sair do confronto com o Parma com uma goleada no bolso. Ao intervalo, Allegri tirou Douglas Costa — que tão bem se entendeu com Cancelo no corredor direito durante a primeira parte — e lançou Bernardeschi, o talento em bruto que ainda não ganhou regularidade na equipa italiana.

O Parma regressou para o segundo tempo, como não podia deixar de ser, a correr mais riscos e a policiar de forma mais atenta a primeira linha de construção da vecchia signora. Scozzarella, no miolo do meio-campo, assegurou as funções defensivas de forma a deixar Barilla e Kucka, um de cada lado, bastante mais abertos e libertos do que haviam estado na primeira parte. O momento mais pressionante do Parma, porém, não se estendeu por muito mais do que cinco minutos e rapidamente a Juventus voltou a tomar o controlo do jogo, principalmente graças a três grandes exibições: Cristiano Ronaldo, como não poderia deixar de ser; Mario Mandzukic, que não tendo a classe e o primor de Dybala é anos luz mais influente do que o argentino; e Sami Khedira, o alemão, que tomou conta do meio-campo e surgiu uma mão cheia de vezes em zona de finalização, com uma bola ao poste na primeira parte e outra na segunda.

Depois de voltar a reduzir o espaço útil do Parma a pouco mais de 20 metros, a Juventus conseguiu chegar ao segundo golo num lance de insistência. Depois de um remate do lateral Spinazzola, Mandzukic ganhou o ressalto na esquerda e cruzou de forma quase perfeita: Ronaldo falhou mas Rugani surgiu nas costas, a fuzilar por completo a baliza de Sepe. Quase de seguida, após um cruzamento milimétrico de Kucka, Barilla apareceu ao segundo poste a fazer o primeiro golo ao serviço do Parma e relançou o jogo. No lance seguinte, novamente a parceria que deixa para trás todas as outras em Turim — Mandzukic a cruzar, desta vez na direita, e Ronaldo a cabecear de cima para baixo, como mandam as regras, para o terceiro da Juventus. Mas há um problema. A equipa de Allegri ataca bem, marca golos, é eficaz, cria com classe e critério mas deixa muito a desejar no setor defensivo. Com Alex Sandro no banco, os três centrais principais lesionados e João Cancelo sempre muito mais balançado para o ataque do que para a defesa, os bianconeri voltaram a sofrer um golo. Gervinho, de calcanhar, respondeu a um cruzamento rasteiro de Kucka e voltou a deixar Andrea Agnelli, em conjunto com Pavel Nedved, de semblante carregado.

Até ao final, com o jogo muito partido e muito espaço livre para transições e arrancadas pelos corredores sem qualquer oposição, a Juventus não conseguiu carimbar o quarto golo que fecharia a partida e acabou por sofrer o golo do empate já no terceiro minuto de descontos, depois de um erro capital de Mandzukic que manchou uma exibição enorme do croata. Gervinho, tal como Ronaldo, bisou na partida e impôs aquele que é apenas o terceiro empate da Juventus na Serie A (tem 19 vitórias em 22 jogos) num jogo onde o Parma de Bruno Alves esteve a perder por dois golos de diferença em duas ocasiões e deu uma primeira parte de avanço ao adversário. Cristiano Ronaldo, por seu lado, tem já 17 golos esta temporada e é atualmente o melhor marcador da liga italiana: o último jogador da Juventus a ter marcado mais do que isso numa única época foi o francês David Trezeguet, em 2005/06.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)