O Congresso brasileiro reúne-se esta segunda-feira para inaugurar oficialmente a sua 56ª legislatura, dando início à abertura dos trabalhos, onde deputados e senadores devem receber as expectativas e prioridades dos poderes executivo, judiciário e legislativo.

Deputados e senadores devem receber uma mensagem do Presidente da República do Brasil, Jair Bolsonaro, com o plano de governo para este ano. Entre as prioridades já apontadas pelo novo executivo estão temas como a reforma de previdência para um ajuste nas contas públicas do país sul-americano, e o combate à criminalidade.

O chefe de Estado não poderá estar presente na abertura dos trabalhos legislativos por ainda se encontrar a recuperar de uma cirurgia de retirada da bolsa de colostomia que usava desde que foi esfaqueado em setembro do ano passado, durante um ato de campanha eleitoral.

A abertura dos trabalhos no Congresso deverá ainda contar com um discurso do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, do partido Democratas, reeleito pela terceira vez na passada sexta-feira, e deverá ser encerrada pelo novo chefe do Senado, Davi Alcolumbre, também do Democratas, eleito no sábado.

As eleições de outubro de 2018 trouxeram uma mudança de perfil no Congresso brasileiro. No Senado Federal, dos 81 senadores que iniciarão este novo ano legislativo, 49 não estavam na legislatura anterior. Um número recorde de 32 senadores tentou a reeleição no ano passado, mas apenas 25% tiveram sucesso, resultando na taxa de reeleição mais baixa já registada.

Já na Câmara dos Deputados, a taxa de renovação foi de 52%, a maior dos últimos 20 anos, sendo que apenas 246 dos 407 deputados foram reconduzidos ao cargo.