Grant Thompson, de 14 anos, descobriu que o Facetime, a aplicação de videochamadas da Apple, permitia escutar sem consentimento qualquer utilizador dos iPhone. Durante uma semana, a Apple nada fez, até o bug ser noticiado. Agora, com o problema resolvido, a empresa norte-americana afirma que vai compensar o jovem e ajudar a pagar os seus estudos, avançou a Reuters.

A falha de segurança descoberta no FaceTime permitia que os utilizadores ouvissem e vissem quem liga de um iPhone antes mesmo de atender ao utilizar a função de videochamada em grupo. A notícia, que foi divulgada a 28 de janeiro pelo site 9to5Mac, levou a Apple a desabilitar a funcionalidade. Contudo, uma semana antes, Grant Thompson, com a ajuda da mãe, já tinha encontrado o erro ao tentar fazer uma videochamada em grupo durante uma sessão do videojogo Fortnite com amigos.

Ao descobrirem o erro, os Thompson submeteram um relatório oficial de erros informáticos à Apple. A empresa disponibiliza online esta opção para quem encontra bugs e recompensa quem quiser reportá-los, dando dinheiro a esses utilizadores quando os erros apontados são verdadeiros (em inglês chama-se “Bounty Programa”). Durante uma semana, não tiveram resposta e a Apple nada fez, até exporem o caso nas redes sociais.

Na atualização de software que a Apple lançou recentemente para resolver este problema a empresa reconhece a descoberta de Grant Thompson. À Reuters, a empresa afirmou que ia compensar monetariamente e dar “um presente extra” para a ajudar os estudos de Grant.

A Apple foi extremamente criticada por ter negligenciado o relatório desta família e por não ter permitido que a falha de segurança tenha existido. Nos Estados Unidos, dois congressistas pediram explicitamente a Tim Cook, presidente executivo da empresa, declarações sobre o erro e atitude negligente ao saber do erro. A empresa afirma que vai melhorar a forma como lida com os relatórios de erros submetidos por utilizadores.

Esta falha de segurança foi descoberta depois de ter sido noticiado que as vendas dos iPhone estão a cair e numa altura em que a Apple tem tentado mostrar que é uma empresa que protege os dados pessoais dos utilizadores.