Rádio Observador

Apoio Social

Rendimento universal falhou na Finlândia. Ou será que foi um sucesso?

1.328

Já saíram resultados da experiência finlandesa, em que foi dado um cheque mensal a 2.000 pessoas. A conclusão? O rendimento básico universal não ajudou a encontrar emprego, mas fê-lo mais felizes.

AFP/Getty Images

À primeira vista, foi um fracasso. Numa segunda análise… talvez seja um pouco mais discutível. A experiência realizada na Finlândia de atribuir um rendimento básico universal a 2.000 pessoas (desempregados) não parece ter conseguido demonstrar que estes cidadãos tiveram, graças a esse cheque mensal de 560 euros, melhores condições para conseguir arranjar trabalho. Na comparação com o outro grupo — o grupo de controlo — receber esse cheque (e ter a garantia de continuar a recebê-lo mesmo que encontrasse trabalho) não parece ter sido sinónimo de maior sucesso no mercado laboral. Mas parece que houve um efeito positivo, aí sim, na saúde e nos níveis de stress dessas pessoas.

A experiência finlandesa foi acompanhada de perto, ao longo dos últimos dois anos, por ser o maior teste organizado nos tempos recentes a uma ideia que, na verdade, já tem mais de 500 anos: a ideia de que o Estado deve dar a todos os cidadãos, independentemente da sua situação, um valor que lhe garanta um mínimo de subsistência. No caso da experiência finlandesa, foram escolhidas 2.000 pessoas que estavam desempregadas e que passaram a receber 560 euros por mês (e foram escolhidas outras 2.000, para o grupo de controlo, que não receberam nada).

Neste caso, a experiência concentrou-se em desempregados, embora a teoria do rendimento básico universal não diga respeito, exclusivamente, a apoio ao desemprego — é muito mais do que isso. Pode ser ter um emprego mas saber que se tem direito a um mínimo de subsistência para, com essa “rede de segurança”, arriscar encontrar outro emprego melhor, abrir o próprio negócio ou obter mais formação — e poder fazer isto sem estar “escravo” do rendimento mensal que se tem. A ideia dos seus defensores é, sobretudo com as perspetivas de robotização da economia, os países têm de olhar para este tipo de propostas, caso contrário vão formar-se problemas sociais perigosos.

Mas a experiência finlandesa não parece ter produzido os resultados que se esperava, de acordo com os resultados preliminares divulgados na sexta-feira. Algumas pessoas que estiveram a receber o dinheiro conseguiram arranjar emprego, mas também aconteceu o mesmo, em grau similar, entre aquelas que estavam no grupo de controlo (as que não receberam nada). Os estudos que vão continuar a ser feitos a partir da experiência podem ajudar a perceber melhor o que é que contribuiu para este resultado — o relatório integral sairá no próximo ano. Mas, até lá, o debate sobre a ideia do rendimento básico universal — uma ideia que o governo italiano quer pôr em prática em breve — passou a contar com a contribuição do famoso projeto finlandês: um rendimento básico universal, nas circunstâncias específicas em que este teste decorreu, não parece ter tido o efeito pretendido.

Neste caso, o objetivo declarado da experiência era “promover o emprego”. E, olhando para os resultados, por esse prisma, foi um fracasso. Mas “as pessoas que receberam o rendimento reportaram um bem-estar claramente superior, em todos os aspetos”, em comparação com os desempregados que não receberam o cheque, explicou o investigador Olli Kangas, um dos peritos responsáveis pelo projeto.

Um rendimento básico universal distingue-se, por exemplo, de um rendimento social de inserção porque o cidadão não precisa de se sujeitar aos processos de condição de recursos, isto é, provar que se está numa situação em que se precisa dos apoios sociais. Para os defensores do rendimento básico universal, este “estigma” é um dos fatores que agravam a saúde psicológica do cidadão, afundando-o ainda mais no que chamam “armadilha do desemprego”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)