PSD

Rui Rio arranca campanha de cartazes a pedir ideias e a apelar à participação dos portugueses

302

A fotografia de Rio, um número de telefone e um novo slogan: "As suas ideias contam, Vamos melhorar Portugal". Em dia de congresso de Santana Lopes, PSD arranca nova campanha em todo o país

ESTELA SILVA/LUSA

Num fim-de-semana em que as atenções mediáticas vão estar centradas no novo partido de Pedro Santana Lopes, que realiza o congresso fundador em Évora, o PSD não quis deixar o Aliança sozinho a tentar disputar o eleitorado do centro-direita e arrancou este sábado com uma nova campanha de outdoors que vão estar espalhados por todo o país.

Rui Rio assume o protagonismo e é dele a imagem no cartaz que apela à participação dos portugueses através de ideias para, segundo diz o novo slogan, “melhorar Portugal”.

Cartaz Rui Rio

O novo outdoor do PSD vai estar espalhado por todo o país a partir deste sábado

Na mesma semana em que o PSD apresentou Paulo Rangel como cabeça de lista às eleições europeias, Rio avança noutra frente de campanha, já a pensar nas legislativas. Segundo fonte da direção do partido, o objetivo dos novos cartazes é “apelar ao envolvimento dos cidadãos em geral na construção de uma alternativa de governação para Portugal.”

Para isso é disponibilizado um número de telefone para quem queira deixar o seu contributo. No site do PSD também está disponível um formulário online para “contributos avulsos”. O partido conta ainda recrutar mais militantes ou simpatizantes para o Conselho Estratégico Nacional (CEN), onde estarão já inscritas 1500 pessoas, e cuja primeira convenção vai realizar-se no próximo fim-de-semana, exatamente no mesmo dia em que o PS também realiza uma convenção, mas para as Europeias.

Esse é o evento, onde também participam convidados e especialistas independentes, que fará arrancar oficialmente os motores da campanha eleitoral do PSD. Estão previstos debates e reuniões com todas as 16 secções temáticas, para depois se começar a preparar o programa com que o partido concorrerá às próximas legislativas.

Com esta iniciativa, a direção social-democrata quer provar que Rio está a pôr em marcha aquilo que “sempre defendeu”, isto é,  “abrir o partido a uma nova forma de militância e participação “, para “aproximar os eleitos dos eleitores”. Essa é, aliás, a ideia trabalhada por Pedro Rodrigues, o homem escolhido no PSD para liderar a comissão de reforma do sistema político, onde está a ser ultimada a proposta de introdução dos círculos uninominais em vez da em vez da eleição em círculos distritais, como acontece hoje. É um dos temas que estará em debate na Convenção do CEN do próximo fim de semana, embora a discussão prossiga depois até maio, numa série de seminários e conferências sobre esse assunto.

Isso mesmo foi revelado ao Observador em meados de Dezembro do ano passado, numa entrevista em que Pedro Rodrigues explicava os planos para este ano eleitoral:  “modernizar e adequar o partido à linguagem do século XXI”, o que inclui a nova iniciativa do partido de ouvir os portugueses, ao qual se vai juntar também trabalho político interno nas assembleias distritais do partido, nas concelhias, e em grupos de trabalho descentralizados um pouco por todo o país.

A seguir às legislativas, qualquer que seja o resultado, o PSD conta organizar um congresso estatutário para, então, discutir a modernização do partido.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: pbenevides@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos
246

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Rui Rio

Dr. Rio, deixe o PS em paz /premium

Rui Ramos
260

Rui Rio ainda quer fazer reformas estruturais com o PS. Mas porque é que o PS haveria de se comprometer em reformas com a direita? Para dar espaço a movimentos à sua esquerda? 

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
248

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
248

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)