Startups

Farfetch está à procura de startups que queiram tornar o comércio sustentável

O "unicórnio" fundado em Portugal abriu as candidaturas para a segunda edição do seu acelerador tecnológico, o Dream Assembly. O programa quer apoiar startups com preocupações ambientais e sociais.

O presidente da Farfetch, José Neves, no lançamento da 1ª edição do Dream Assembly, em abril de 2018

Farfetch

Está lançada a 2ª edição da aceleradora tecnológica da Farfetch, o Dream Assembly. As candidaturas estão abertas até 3 de março e destinam-se a startups em fase inicial, na área do comércio, e que procurem gerar um benefício social e ambiental, enquanto mantém um modelo de negócios lucrativo. O programa de apoio a novas empresas foi criado pelo “unicórnio” — uma empresa avaliada em mais de mil milhões de dólares — no início de 2018.

As empresas selecionadas poderão participar em 10 semanas de workshops, sessões de mentoria (dedicadas a temas do comércio digital à logística) e reuniões individuais com líderes da Farfetch e de empresas parceiras. Os trabalhos começam em Lisboa, em abril, e terminam em Londres, onde a Farfetch tem sede e onde as startups participantes poderão apresentar os seus negócios a um grupo de investidores externos. Na última edição foram admitidas 11 empresas provenientes de 9 países.

O Dream Assembly está a ser desenvolvido em cooperação com as marcas de moda Stella McCartney e Burberry, que tinha estado ligada à edição anterior. A Stella McCartney junta-se ao programa para continua uma aproximação a “startups focadas na inovação e em reduzir o impacto negativo desta indústria [da moda]”, nas palavras da Diretora Mundial de Sustentabilidade e Inovação da marca, Claire Bergkamp. A Burberry acredita também que a “inovação e a colaboração são necessárias para construir um futuro mais sustentável”, como afirmou a vice-presidente da marca Pamela Batty. Em 2018 a Burberry deixou de queimar os produtos não vendidos, após a destruição de 30 milhões de euros em mercadorias gerar polémica.

A colaboração com empresas externas justifica-se como forma de garantir um acrescento de “conhecimento e experiência”, de acordo com a Chief Strategy Officer da Farfetch, Stephanie Phair. O ideal que une as três marcas é a crença de que “a indústria da moda tem um papel essencial na construção de um futuro sustentável”, que a Farfetch quer estimular através do Dream Assembly.

Para o Chief Techonology Officer da Farfetch, Cirpriano Sousa, o acelerador tecnológico é a forma da companhia “ajudar a construir a próxima onda de empresas de moda e de tecnologia de sucesso”, enquanto “apoia os melhores empreendedores e as melhores equipas, ajudando-os a escalar os seus negócios”.

A Farfetch foi fundada em Portugal, em 2007, como uma plataforma de comércio online para moda de luxo. Entrou em bolsa em setembro de 2018 e chegou a valar mais de 8 mil milhões de euros. A empresa, agora com sede em Londres é a plataforma tecnológica líder global para a indústria da moda de luxo, pelas contas da própria, está disponível em 190 países e vende produtos de mais de mil marcas de luxo.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)