Rádio Observador

Autarquias

Presidente da Câmara de Castro Marim vai renunciar ao cargo na quinta-feira

A lista do PSD vai demitir-se formalmente na quinta-feira para provocar eleições intercalares. O presidente da autarquia do distrito de Faro, Francisco Amaral, classifica a situação de insustentável.

LUÍS FORRA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A lista do PSD vencedora das eleições para a Câmara de Castro Marim, em 2017, vai demitir-se na quinta-feira para provocar eleições intercalares, disse esta terça-feira Francisco Amaral, presidente da autarquia do distrito de Faro.

A intenção de se demitir tinha sido anunciada por Francisco Amaral, em janeiro, após se reunir com o secretário de Estado das Autarquias Locais, Carlos Miguel, quando indicou na ocasião que iria dar esse passo até ao início de fevereiro, ficando depois o governante encarregado de nomear uma comissão de gestão e convocar eleições intercalares.

Francisco Amaral, que perdeu a maioria absoluta em 2017, disse esta terça-feira à agência Lusa que a demissão em bloco da sua lista será “formalizada na quinta-feira” e classificou a situação atual na Câmara de Castro Marim de “insustentável”. Segundo o presidente, a autarquia está “bloqueada” pela “coligação informal” da oposição e “não há alternativa a não ser as eleições antecipadas”.

Questionado sobre quando prevê que possam ser realizadas as eleições intercalares, Francisco Amaral respondeu “no princípio de maio”, mas reconheceu que essa é uma prerrogativa da tutela da Administração Local, que decidirá a data e convocará o ato eleitoral.

Eu tenho conversado isto tudo com o secretário de Estado das Autarquias, que compreende perfeitamente esta situação e que haja eleições intercalares. A renúncia vai ser apresentada agora dia 21, na quinta-feira, é a minha lista toda que vai renunciar, e a renúncia é apresentada ao secretário de Estado das Autarquias, que vai marcar eleições”, disse o autarca à Lusa

Francisco Amaral considera que as eleições “deveriam ser no princípio de maio” e sem coincidir com as eleições europeias, marcadas para 26 de maio, mas reconheceu que isso “pode acontecer” caso o secretário de Estado das Autarquias Locais assim o decida.

“A partir de quinta-feira fica aqui uma comissão de gestão ad hoc para gerir e depois o Secretário de Estado irá nomear uma comissão administrativa, que presumo que vá ser mais ou menos o executivo, só que os poderes são diminutos, não há reuniões de câmara até às eleições”, acrescentou o presidente da autarquia algarvia.

Francisco Amaral disse ter tentado desde o início do mandato “conversar e dialogar” com a oposição, mas garantiu que, “neste caso particular, toda a gente vê que é impossível”, porque a oposição está em maioria (três vereadores — dois do PS e um do movimento Castro Marim Primeiro — contra os dois do PSD).

“Lamento que isto tenha acontecido, porque não foi para isto que o povo de Castro Marim votou. Entendo dos resultados eleitorais que o povo de Castro Marim quer que eu presida à Câmara, mas entendendo-me com a oposição”, afirmou.

O autarca disse estar convencido de que, ao fim de uns meses, a oposição “iria acalmar”, mas o que aconteceu foi que os “ânimos ficaram ainda mais tensos e é impossível continuar assim”.

Francisco Amaral sente que “o povo é favorável às eleições antecipadas” e disse acreditar que o PSD “pode ter uma maioria absoluta” no ato eleitoral intercalar, mas reconhece que “é um risco” que está a assumir, admitindo que pretende recandidatar-se. “Agora, se eu perder não vou de certeza bloquear a gestão de quem ganhar”, acrescentou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)