PSP

Agente da PSP implica Pereira Cristóvão e ‘Mustafá’ em assaltos a residências

124

O agente disse em tribunal que Paulo Pereira Cristóvão era o informador e quem selecionava os alvos a assaltar, enquanto 'Mustafá' e o irmão faziam a ponte com os operacionais no terreno.

O polícia contou ao coletivo de juízes que as residências a assaltar seriam de "alegados criminosos" com "elevadas quantias em dinheiro em casa"

PEDRO NUNES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Um agente da PSP e arguido no processo implicou esta quarta-feira em tribunal o ex-inspetor da Polícia Judiciária Paulo Pereira Cristóvão e o líder da claque Juventude Leonina, Nuno Vieira Mendes, conhecido como ‘Mustafá’, em assaltos a duas residências.

Na segunda sessão do julgamento de 17 arguidos, acusados de pertencerem a uma alegada rede criminosa de assaltos violentos a residências na Grande Lisboa e na margem sul do rio Tejo, Elói Fachada disse no Tribunal de Cascais que Paulo Pereira Cristóvão era o informador e quem selecionava os alvos a assaltar, enquanto ‘Mustafá’ e o irmão, Paulo Santos, conhecido como ‘Bábá’, faziam a ponte com os operacionais no terreno.

O polícia contou ao coletivo de juízes que as residências a assaltar seriam de “alegados criminosos” com “elevadas quantias em dinheiro em casa”, e que os assaltos eram levados a cabo por arguidos que compunham a vertente operacional da alegada associação criminosa, os quais se identificavam perante as vítimas como polícias no cumprimento de mandados de busca domiciliária forjados.

Elói Fachada relatou que em fevereiro de 2014 foi contactado pelos arguidos Vítor Hugo e ‘Bábá’ com a “proposta” de assaltar a residência de um suposto burlão, no concelho de Cascais, que teria cerca de 80 mil euros num cofre, tendo aceitado participar, pois passava por “dificuldades financeiras”.

O valor do assalto, segundo este agente policial, seria depois dividido a meias por quem “teve a ideia” do assalto e pelos executantes do mesmo.

Questionado pelo tribunal sobre quem era o informador, o agente da PSP explicou que outros arguidos, nomeadamente Vítor Hugo, lhe disseram tratar-se de Pereira Cristóvão, “antigo inspetor da PJ e que foi do Sporting [antigo vice-presidente do clube]”, mas que nunca o viu nem falou com ele.

O assalto à residência do alegado burlão, realizado a 27 de fevereiro de 2014, foi executado por Elói Fachada, outro agente da PSP e dois outros arguidos. Após o mesmo, Elói Fachada descreveu que os quatro arguidos seguiram numa viatura e, no caminho, ainda em Cascais, pararam e o arguido Vítor Hugo saiu do automóvel e foi entregar todo o dinheiro a um outro automóvel que os seguia, que tinha como ocupantes ‘Mustafá’ e o seu irmão ‘Bábá’.

Cerca de duas horas depois, já no Monte da Caparica, em Almada, como combinado anteriormente, as duas viaturas voltaram a encontrar-se para que os quatro operacionais recebessem a sua parte. Foi nesse momento que o arguido disse ter visto ‘Mustafá’ e o irmão deste, que ocupavam o outro automóvel.

O agente da PSP referiu que cada arguido recebeu 7.500 euros, exceto um dos envolvidos, a quem lhe foi entregue 1.500 euros, acreditando que o assalto rendeu cerca de 80 mil euros. Contudo, a acusação do Ministério Público refere que no assalto foram levados 145 mil euros e que os arguidos ‘Mustafá’ e ‘Bábá’ receberam, cada um, 10 mil euros, e não 7.500 euros.

O segundo episódio em que Elói Fachada implica Pereira Cristóvão ocorreu poucos dias depois a uma residência na Avenida do Brasil, em Lisboa, propriedade de alguém que, alegadamente, teria “levado três milhões de euros do banco BPN”.

O polícia disse que, como acontecera no assalto à residência de Cascais, foi o arguido Vítor Hugo que falou com ele. Questionado pela presidente do coletivo de juízes sobre se os “cérebros pensantes” deste assalto eram os mesmos do de Cascais, o arguido assumiu que sim, referindo-se a Paulo Pereira Cristóvão, antigo inspetor da PJ e ex-vice-presidente do Sporting.

O assalto acabou por correr mal, pois levantaram os tacos de várias divisões da residência “com uma marreta e um pé de cabra”, mas não encontraram dinheiro nenhum. De seguida, acrescentou, os arguidos que executaram o assalto dirigiram-se para o estádio do Sporting, onde se encontraram com ‘Mustafá’ e o seu irmão, e lhes explicaram o “assalto frustrado”, acreditando este agente da PSP que lhes foi dada a morada errada da residência a assaltar.

Paulo Pereira Cristóvão, implicado nestes dois assaltos, vai falar na próxima sessão, marcada para 13 de março, após terminar o depoimento de Elói Fachada, que hoje assumiu a participação em mais quatro assaltos, mas nestes não mencionou qualquer intervenção do ex-inspetor da PJ de ‘Mustafá’ ou do irmão deste.

Os 17 arguidos respondem por associação criminosa, roubo, sequestro, posse de arma proibida, abuso de poder, violação de domicílio por funcionário e falsificação de documento.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)