Prostituição

Dono da equipa New England Patriots envolvido em caso de prostituição

Segundo a polícia, o milionário terá recorrido a serviços de prostituição num spa numa praia na Flórida, mas Robert Kraft nega tudo. Entretanto a dona e a gerente do salão já foram presas.

Getty Images

O proprietário da equipa de futebol americano New England Patriots foi acusado de solicitar o serviço de prostitutas num salão de massagens na Flórida. Robert Kraft terá sido tramado pelas câmaras de vigilância e recorrido por duas vezes ao Orchids of Asia Day Spa & Massage, um destino na cidade de Jupiter, naquel estado.

Segundo a polícia, o caso tem um mês, quando surgiram as primeiras investigações à “exploração sexual” e eventual tráfico humano, que teria palco neste salão de funcionamento duvidoso. O milionário de 77 anos nega tudo. “Negamos categoricamente que o Sr. Kraft se tenha envolvido em qualquer atividade ilegal. Porque é uma questão judicial, não vamos comentar mais”, disse o porta-voz de Kraft, citado por órgãos como a CNN. A NFL (National Football League) já se manifestou. Afirmou estar “ciente da questão da aplicação da lei” e disse que ia continuar a “acompanhar os desenvolvimentos” da investigação.

O referido spa na cidade de Jupiter fora um dos dez espaços encerrados pelas autoridades na sequência das rusgas. Quanto à atividade no interior do dito salão, o site do Orchids of Asia Day Spa & Massage fala num “variedade de modalidades de massagens”, feitas em “quartos privados, tranquilos e limpos”. Segundo a polícia, o custo de visita por hora ronda os 79 dólares (67 euros).

A dona do spa, Hua Zhang, foi presa esta terça-feira por acusações também relacionadas com a prostituição e tem uma fiança avaliada em 278 mil dólares (245 mil euros). A gerente do salão, Lei Wang, uma conhecida cantora de Singapura, foi presa no mesmo dia e compareceu no tribunal pela primeira vez na quinta-feira. De acordo com vários homens, citados pelo Palm Beach Post, era à gerente que se pagavam as atividades ilícitas que decorriam no salão. Até agora, há vinte e cinco pessoas acusadas de prostituição.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Prostituição

Abolicionismo

Pedro Vaz Patto
157

Abolir a prostituição pode ser visto como uma utopia, pois «sempre existiu e sempre existirá». O mesmo se disse da escravatura, mas num e noutro caso estamos perante a redução da pessoa a mercadoria.

Câmara Municipal Lisboa

Prostituição ou trabalho sexual?

Pedro Vaz Patto
233

Quem conhece a realidade da prostituição sabe que não há uma prostituição “benigna”, que ela é, intrinsecamente, “maligna”. Ou já alguém conheceu uma mulher que lhe dissesse que queria ser prostituta?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)