A oposição na Nicarágua anunciou, na sexta-feira, que vai exigir a libertação de presos políticos e a realização de eleições livres, na ronda de negociações agendada para quarta-feira com o Governo de Daniel Ortega. Na agenda das negociações vão estar “três pontos fundamentais”, sublinhou a Aliança Cívica pela Justiça e a Democracia, em comunicado.

O primeiro será a “libertação dos presos políticos e a restauração das liberdades, direitos e garantias estabelecidas na Constituição”. “A liberdade [dos mais de 700 presos políticos] é uma prioridade das negociações”, frisou. Os dois outros pontos têm como pano de fundo reformas eleitorais que garantam “eleições justas, livres e transparentes”.

Na quinta-feira, o chefe de Estado, Daniel Ortega, apelou ao diálogo com a oposição, suspenso há meses, numa tentativa de pôr fim à crise sociopolítica, que deixou, desde abril passado, centenas de mortos e milhares no exílio.

A Aliança Cívica admitiu assumir o desafio “por uma Nicarágua com justiça e democracia” e disse confiar que está “prestes a iniciar uma negociação inclusiva, séria, franca e informada”.

O diálogo entre o Governo sandinista e a oposição, mediado pela Conferência Episcopal Nicaraguense, arrancou em maio passado, mas foi abandonado unilateralmente por Ortega, em julho. A Nicarágua é, desde 18 de abril, palco de manifestações e confrontos violentos.

Os manifestantes acusam Ortega e a mulher e vice-Presidente nicaraguense, Rosario Murillo, de abuso de poder e de corrupção. Ortega está no poder desde 2007, após um primeiro mandato de 1979 a 1990.

De acordo com organizações humanitárias, a crise no país já causou entre 325 e 561 mortos, centenas de desaparecidos, milhares de feridos e obrigou dezenas de milhares ao exílio.