PSD

Rui Rio partilha notícia com dois anos para atacar Costa: “Parece que a moda está a pegar”

195

Líder do PSD partilhou notícia com mais de dois anos, sem referir esse facto, para atacar relações familiares do Governo. Trata-se do caso do presidente do Azerbaijão que nomeou a mulher sua "vice".

NUNO VEIGA/LUSA

Há uma nova modalidade na desinformação que não são as tradicionais “fake news“: a partilha de notícias que são verdadeiras mas que já têm alguns anos para criar a sensação (através do título, sem que se abra o link) de que são atuais. Depois do caso de Mariana Vieira da Silva chegar a ministra de um Governo onde já estava o pai, começou a circular uma notícia de fevereiro de 2017, com mais de dois anos, sobre o facto de o presidente do Azerbaijão ter nomeado a mulher como sua vice-presidente. Depois de vários utilizadores terem partilhado a notícia, o líder da oposição também o fez este domingo num tweet, sem qualquer referência ao facto de esta ter mais de dois anos. E ainda fez um comentário sugerindo que esta situação na política azeri aconteceu já depois da remodelação do governo em Portugal: “Parece que a moda está a pegar”.

No sábado, o deputado do PSD, Carlos Abreu Amorim já tinha feito o mesmo na sua conta no Twitter, dizendo que os socialistas portugueses “desbravaram o caminho” de ter familiares no mesmo governo. O comentário pode não estar incorreto — uma vez que Ana Paula Vitorino e Eduardo Cabrita estavam juntos no Governo antes da nomeação feita pelo presidente do Azerbaijão — mas, mais uma vez, não houve qualquer referência do deputado ao facto de a notícia ter dois anos.  Ao Observador o deputado explicou que não se enganou “nem quis induzir em erro quem quer que fosse”.

Carlos Abreu Amorim disse que “sabia perfeitamente que a notícia era de 2017” e que por isso é que publicou com o texto dizendo que eram “precursores”. Caso contrário, diz o deputado, “o texto seria diferente”. Abreu Amorim diz ainda que não considera “ter caído no pecado das ‘fake news‘, ainda que em border line, por não ter colocado a data na publicação.” E acrescentou: “Nunca o faço”.

O caso deu-se em 2017, quando o presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyey, decidiu nomear a mulher, Mehriban Aliyev, como a primeira vice-presidente do país. O cargo não existia até essa altura, mas o presidente azeri promoveu um referendo constitucional que lhe permitiu criar o cargo. Mehriban Aliyev, uma médica de 52 anos ficou assim bem posicionada para suceder ao marido. Ilham Aliyey já tinha herdado, em 2003, a presidência do Azerbaijão do pai que liderava o país desde a independência, em 1991.

A partilha de notícias verdadeiras como se tivessem acabado de acontecer tem sido uma ferramenta utilizada para campanhas de desinformação nas redes sociais. Quando Rui Vitória saiu de treinador do Benfica, começou a ser partilhada uma notícia verdadeira do Público que dizia: “Mourinho a caminho do Benfica”. A notícia era verdadeira, mas era de dezembro de 2001, o que só era possível ver depois de se abrir o link. No caso de Rui Rio há uma atenuante: atualmente, a mulher do presidente do Azerbaijão continua a ser a vice-presidente do país.

“É a família socialista”

Rui Rio tem sido crítico das relações familiares no Governo e disse na última segunda-feira que houve um “afunilamento” na escolhas do Governo, já que “pela primeira vez na história de Portugal senta-se marido e mulher, e agora pai e filha no Conselho de Ministros”. O líder do PSD referia-se a Mariana Vieira da Silva, agora Ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, filha do Ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, mas também Eduardo Cabrita, atual Ministro da Administração Interna, que é casado com a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino. E atirou enquanto sorria: “É a família socialista”.

Artigo atualizado na segunda-feira, 25 de fevereiro, com a explicação do deputado Carlos Abreu Amorim.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Igreja Católica

A Europa e a Páscoa dos Cristãos no Mundo

Raquel Vaz-Pinto

Ao celebrar a Páscoa e a sua compaixão devíamos reflectir sobre os sacrifícios dos cristãos que vivem longe e fazer a pergunta difícil e dolorosa: conseguiríamos manter a Fé e de seguir o seu exemplo?

PS

De novo, a propaganda socialista a chegar ao fim /premium

João Marques de Almeida
1.140

Uma certeza temos em relação aos governos do PS: está tudo a correr muito bem até ao dia em que começa tudo a correr muito mal. É quando a “política de comunicação” se torna curta para tanta realidade

Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada
164

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Segurança Social

Não tinha de ser assim /premium

Helena Matos
590

Em 1974, politicamente bloqueado, o país aguardava que os militares tratassem do assunto. O assunto era o Ultramar. Em 2019, o país está bloqueado de novo. O assunto chama-se Estado Social.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)