Rádio Observador

Coreia do Norte

Depois do acordo falhado com Trump, Kim Jong-un reforça construções em base nuclear

A reconstrução de uma base de testes nucleares na Coreia do Norte estava suspensa. Depois do encontro entre Kim Jong-un e Donald Trump, as obras recomeçaram.

Kim-Jong-un e Donald Trump no início da cimeira

SAUL LOEB/AFP/Getty Images

A Coreia do Norte voltou à construção de uma das suas bases de testes nucleares. A informação foi avançada por analistas do exército norte-americano e pelos serviços secretos da Coreia do Sul, que acreditam que os movimentos detetados pelos seus satélites revelam que a construção da base de Sohae, em Tongchang-ri — uma região do noroeste do país, junto à fronteira com a China — foi de facto retomada.

Esta notícia chega poucos dias depois de os líderes dos Estados Unidos e da Coreia do Norte terem estado reunidos numa cimeira em Hanói, no Vietname. O encontro entre Donald Trump e Kim Jong-un terminou antes do previsto e sem acordo. O Presidente norte-americano garante que propôs um alívio das sanções à Coreia do Norte se o país deixasse cair o programa do acordo nuclear. Segundo os Estados Unidos, não foi possível chegar a acordo porque Kim Jong-un pedia o fim de todas as sanções em troca da destruição de um complexo nuclear — não da desistência do programa de armamento nuclear. Uma informação que foi desmentida pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE) norte-coreano, que assegura que o seu país fez uma “proposta realista” na cimeira.

De acordo com o governante Ri Yong Ho, a Coreia do Norte pediu apenas aos Estados Unidos um alívio parcial das sanções em troca do encerramento do seu principal complexo nuclear. O MNE norte-coreano assegura ainda que o país se mostrou disponível para oferecer, por escrito, uma suspensão permanente dos testes nucleares e intercontinentais de mísseis balísticos. O Presidente Donald Trump perdeu uma oportunidade “que pode não repetir-se”, avisou ainda.

Duas versões para uma mesma reunião. Mas há algo que parece que ambos os lados confirmam: de um lado o interesse é a redução de sanções, do outro é o fim do programa de armamento nuclear da Coreia do Norte. Assim, as obras que estavam suspensas no complexo nuclear de Sohae eram um dos trunfos com que Kim Jong-un contava para tentar convencer o presidente Donald Trump a terminar com as sanções que recaem sobre a Coreia do Norte. Destruindo este complexo, o líder norte-coreano podia mostrar que o país estava disposto a avançar com o desmantelamento enquanto garantia o início do fim das sanções.

No encontro que ambos mantiveram em setembro do ano passado na Coreia do Sul, Kim Jong-un terá mesmo proposto a destruição deste complexo sob observação de especialistas americanos. A ideia ficou em cima da mesa até ao encontro da semana passada.

Agora, e depois destes avanços e recuos, as movimentações observadas no complexo nuclear cuja destruição fez parte das negociações entre Trump e Kim Jong-un parecem ser um sinal de força e de pressão por parte dos norte-coreanos. Recorde-se que, na sua mensagem de ano novo, o Presidente norte-coreano anunciou que se não fosse possível pôr um fim às sanções, o país iria encontrar “um novo caminho“.

No entanto, e de acordo com alguns meios de comunicação social sul-coreanos, as movimentações podem ter começado antes da cimeira de Hanói para que um eventual desmantelamento do complexo fosse mais espetacular. Uma espécie de jogada de antecipação: se houvesse acordo a destruição pareceria mais dramática, se o entendimento falhasse as construções continuariam para dar um sinal de força.

O último teste nuclear feito pela Coreia do Norte aconteceu em novembro de 2017, o que levou Trump a carregar na dose de sanções e deu início a uma inédita ronda negocial entre os dois países.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmozos@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)