Rádio Observador

Violência Doméstica

Moçambique com mais de 25.000 casos de violência doméstica em 2018

Em 2018, foram registados 25.356 casos de violência doméstica em Moçambique. UE financia com 40 milhões de euros o programa "Spotlight", para eliminar todas as formas de violência contra mulheres.

No ano passado foram registados 25.356 casos de violência doméstica em Moçambique, dos quais mais de 12.500 contra mulheres e 9.000 contra crianças

MÁRIO CRUZ/LUSA

Moçambique registou em 2018 mais de 25.000 casos de violência doméstica, afetando sobretudo mulheres, indicam dados revelados esta sexta-feira pelo governo moçambicano, que assume a necessidade de reforçar o apoio às vítimas.

Os dados, tornados públicos esta sexta-feira, Dia Internacional da Mulher, pela ministra do Género, Criança e Ação Social, Cidália Chaúque, indicam que no ano passado foram registados 25.356 casos de violência doméstica em Moçambique, dos quais mais de 12.500 contra mulheres e 9.000 contra crianças. Há ainda um registo superior a 3.000 casos de violência doméstica contra homens.

A governante falava em Maputo, na cerimónia de abertura do II Fórum Nacional dos Magistrados que Atuam no Âmbito da Violência Doméstica (Fonamavido). Cidália Chaúque assumiu que são necessárias ações coordenadas de todos os atores que lidam com a violência doméstica com vista ao seu combate.

“Temos o desafio de melhorar o atendimento às vítimas das várias formas de violência doméstica e reforçar as ações de responsabilização, envolvendo homens e mulheres para que assumam que este mal não pode ser justificado”, considerou.

Por seu turno, Osvalda Joana, juíza conselheira do Tribunal Supremo e presidente do Fonamavido, disse ser urgente tomar medidas de apoio e proteção para as vítimas da violência doméstica e a responsabilização dos infratores.

Acrescentou que é necessário investir na formação e sensibilização dos magistrados judiciais e da Procuradoria-Geral da República, bem como de outros atores da Justiça, “com vista a um atendimento mais humano e acolhedor às vítimas da violência doméstica”.

Entretanto, o presidente da Associação Moçambicana dos Juízes (AMJ), Carlos Mondlane, afirmou que o Estado não tem cumprido cabalmente o seu papel no combate à violência doméstica.

“Na prática, o Estado não faculta às vítimas, em particular às mulheres, os mecanismos imediatos ou cautelares de proteção previstos na lei e acaba sendo também violentador dos direitos das mulheres, a principal vítima da violência doméstica”, referiu.

O II Fonamavido acontece numa altura em que o país celebra 10 anos da aprovação da Lei sobre a Violência Doméstica Praticada Contra a Mulher, que criminalizou a violência doméstica e tornou esta prática em crime público.

O encontro, de dois dias, tem como objetivo analisar as lacunas existentes na atual legislação e na aplicação da lei, debater os desafios no tratamento judiciário dos casos e as estratégias de prevenção, bem como desenvolver e implementar ações concretas para contribuir efetivamente no combate à violência doméstica.

União Europeia disponibiliza 40 milhões de euros para travar violência contra mulher em Moçambique

A União Europeia vai financiar com 40 milhões de euros o programa “Spotlight”, a implementar em Moçambique pelas Nações Unidas e que pretende eliminar todas as formas de violência contra mulheres e raparigas.

“Este programa vai priorizar o trabalho com as comunidades para a mudança de mentalidade quanto aos direitos das mulheres e raparigas”, disse à Lusa a ministra do Género, Criança e Ação Social de Moçambique, Cidália Chaúque.

Num período de quatro anos, a iniciativa vai beneficiar cerca de seis milhões de pessoas em dez distritos das províncias de Nampula, Manica e Gaza, regiões que têm registado mais casos de violação dos direitos da mulher e da rapariga.

“As lideranças nas comunidades têm aqui, neste programa, um papel muito importante, na medida em que uma das principais apostas é a mudança de mentalidade”, frisou a governante.

Para o diretor-geral da Cooperação Internacional e do Desenvolvimento da Comissão Europeia, Stefano Manservisi, o programa é importante também por apostar na luta contra a violência doméstica contra mulheres.

“Nós queremos mobilizar as pessoas para que se preste atenção à violência contra as mulheres. Este é um dos crimes mais horríveis”, disse Stefano Manservisi, lembrando que, num conjunto de oito países selecionados, Moçambique é o primeiro Estado africano em que o programa é lançado.

O “Spotlight” é um programa global, lançado em 2017 e que está orçado em cerca de 500 milhões de euros, valor que será usado em diferentes países para apoiar diversas iniciativas de luta contra a violação dos direitos da mulher e da rapariga.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Privacidade

Gratuito é mentira

João Nuno Vilaça

Que estamos a ceder em troca destas aplicações e serviços gratuitos? A nossa alma? Quase. Estamos a ceder os nossos dados, que são extremamente valiosos e pessoais. São o recurso mais valioso do mundo

Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)