Autarquias

Ex-autarca de Benavente absolvido de corrupção e condenado por prevaricação

António José Ganhão foi esta quarta-feira absolvido do crime de corrupção e condenado a dois anos e seis meses de prisão, com pena suspensa, por um crime de prevaricação de titular de cargo político.

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O ex-presidente da Câmara de Benavente António José Ganhão foi esta quarta-feira absolvido do crime de corrupção e condenado a dois anos e seis meses de prisão, com pena suspensa, por um crime de prevaricação de titular de cargo político.

O Tribunal de Santarém proferiu hoje o acórdão do processo em que António José Ganhão e o seu ex-vereador Miguel Cardia estavam acusados da prática de crimes de corrupção passiva e prevaricação de titular de cargo político por alegados favorecimentos a um empresário imobiliário, Tiago Gallego, também arguido no processo, juntamente com um técnico do município, Vasco Feijão, e o antigo presidente da Junta de Freguesia de Santo Estêvão e empresário Daniel Ferreira.

O ex-presidente do município vai recorrer da condenação.

Todos os arguidos foram absolvidos dos crimes de corrupção de que vinham acusados, tendo a pena mais grave, três anos e seis meses de prisão, suspensa na sua execução, sido aplicada a Miguel Cardia.

O ex-vereador foi ainda condenado a uma pena acessória de inibição do exercício de cargos públicos por um período de cinco anos, tanto no poder local como central, e ainda como comandante de qualquer corporação de bombeiros (atualmente comanda os bombeiros de Samora Correia).

Daniel Ferreira foi condenado a uma pena de dois anos de prisão, suspensa na execução, por furto qualificado, tendo o tribunal considerado que ficou provado que vendeu cortiça retirada de terrenos que pertenciam ao município.

Tiago Gallego acabou condenado a dois anos de prisão, com pena suspensa, por posse de arma proibida, tendo Vasco Feijão sido absolvido.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Autarquias

Os pára-quedistas autárquicos

Rui Martins
122

É inaceitável termos membros das assembleias que nunca viveram, trabalharam nem conhecem as freguesias ou municípios que representam.

Obituário

O meu amigo Augusto Cid

Alexandre Patrício Gouveia

Sem Augusto Cid Camarate teria, para sempre, sido descrito como mero acidente, e os portugueses teriam vivido com uma mentira relativamente à morte do seu primeiro-ministro e do seu ministro da Defesa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)