Eleições Europeias

PSD/Açores diz que “provavelmente” não fará campanha nas eleições Europeias

180

Presidente do PSD/Açores, Alexandre Gaudêncio, não gostou que a região autónoma não tivesse representação em lugar elegível e diz que "provavelmente" aquela estrutura não fará campanha no arquipélago.

Alexandre Gaudêncio diz que ainda não está decidido, mas que "provavelmente" não fará campanha

Eduardo Costa/LUSA

Antes morrer livres, que em paz sujeitos“. A frase, que consta do brasão que representa a autonomia açoriana, foi proferida pelo presidente do PSD/Açores antes do início do Conselho Nacional do PSD. Alexandre Gaudêncio, que se fazia acompanhar por um grupo de irredutíveis dirigentes açorianos, acusou a direção do PSD de dar um “papel de segunda” aos Açores ou dar-lhe apenas o oitavo lugar da lista. O PSD/Açores retirou mesmo a indicação da lista e disse que as “consequências políticas” não se vão ficar por aqui. Embora ainda não tenha discutido a questão internamente, Alexandre Gaudêncio ameaçou: “Permitam-me dizer que uma das consequências é provavelmente não fazermos qualquer campanha política nos Açores“.

Alexandre Gaudêncio explicou que “infelizmente” o PSD/Açores não levou a melhor no braço-de-ferro com Rui Rio. Os açorianos tinham a  “legítima expectativa, desde que há tradição neste partido de Europeias, que os Açores tivessem a sua representação legítima”. Por isso mesmo deliberaram nos órgãos próprios “indicar o nome do dr. João Bosco Mota Amaral, atendendo à história que o partido tinha na indicação sempre de dois nomes das regiões autónomas, dos Açores e Madeira”.

O nome de Mota Amaral, lembrou Gaudêncio, foi indicado “de forma unânime, devido ao perfil e à personalidade que representa“, o que adensou a ideia de que o PSD/Açores teria “um lugar mais do que legítimo elegível pela direção nacional do partido”. No entanto, na lista final, no entender da direção regional, “os Açores são relegados para um papel de segunda.” Ora, para Gaudêncio “os Açores têm um papel fundamental na construção da União Europeia” e lembrou que no seu cargo defende “primeiro os interesses dos Açores e só depois do partido”. Assim, nunca poderiam aceitar o lugar que foi atribuído à região autónoma.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Eleições Europeias

Os ventos que sopram da Europa

Jose Pedro Anacoreta Correira

É preciso explicar que o combate pela redução de impostos não significa menos preocupação social. É precisamente o inverso: um Estado menos pesado contribui para uma sociedade mais justa. 

Ministério Público

A democratura em roupão e com unhas

José P. Ribeiro de Albuquerque.
621

Sobre as propostas de alteração apresentadas pelo PS e PSD, em sede de apreciação na especialidade, à proposta do Governo que visa aprovar o novo estatuto do Ministério Público.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)