Ministério da Educação

Aulas de História prejudicadas com flexibilidade curricular. Alunos tiveram menos aulas

956

Um estudo realizado pela Associação de Professores de História conclui que houve uma redução de 45 ou de 50 minutos por semana da disciplina, devido à introdução da flexibilidade curricular.

Os resultados do estudo da Associação de Professores de História vão ser enviados ao secretário de Estado da Educação, João Costa

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

A maioria dos estabelecimentos de ensino básico e secundário diminuiu o número de horas letivas da disciplina de História, avança o semanário Expresso. Esta diminuição resulta da flexibilidade curricular — aprovada pelo Governo e em vigor  desde o início do ano letivo — que dá autonomia a todos os agrupamentos de escolas de gerir até 25% o horário.

Na generalidade, verifica-se uma redução de 45 ou de 50 minutos por semana em cada um dos ciclos de ensino, incluindo no secundário. Casos há em que a redução é ainda maior”, disse ao semanário Miguel Monteiro de Barros, presidente da Associação de Professores de História (APH).

Esta diminuição deve-se às novas disciplinas introduzidas em todas as escolas — Cidadania e Desenvolvimento e  Tecnologias de Informação e Comunicação — que retiraram tempo de aulas às disciplinas já existentes, tendo a de História saído prejudicada.

A conclusão partiu de um estudo realizado pela APH, que defende a definição de tempos mínimos na disciplina e que enviou aos professores de História um inquérito onde lhes era pedido para relatarem o que tinha acontecido às suas disciplinas nas respetivas escolas. Os resultados desses inquéritos vão agora ser enviados ao secretário de Estado da Educação, João Costa, avança o mesmo jornal.

Também a Associação de Professores de Geografia recebeu relatos de escolas onde houve cortes na disciplina. A Associação Portuguesa de Geógrafos vai reunir-se com o Ministério da Educação, na próxima semana, para transmitir estas preocupações.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

Estado-educador e Estado-cultura, em marcha?

Mário Pinto

Não existe uma educação para a cidadania única e institucional. Há várias concepções de cidadania, mesmo como concepções de vida democrática, pois há pluralismo social e cultural, ou moral e religioso

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)