Angola

Três mortos no balanço provisório das chuvas em Luanda

Das 3 vítimas, 2 fora arrastadas pela corrente da água e uma morreu por eletrocussão. Residências, igrejas, instituições de saúde e ensino estão inundadas devido às chuvas que caíram sobre Luanda.

Segundo o responsável dos bombeiros, os dados apontam para a morte, "por negligência"

CARLOS AUGUSTO/LUSA

Três mortos, residências, igrejas, instituições públicas de saúde e de ensino inundadas e ruas alagadas são as consequências das chuvas que caíram sobre Luanda, na terça-feira, divulgaram esta quarta-feira os bombeiros.

O comandante provincial do Serviço de Proteção Civil e Bombeiros de Luanda, Tito Manuel, disse, em declarações aos jornalistas no final de uma reunião da Comissão Provincial de Proteção Civil que avaliou os efeitos das chuvas, que estes dados são ainda provisórios.

Segundo o responsável, os dados apontam para a morte, “por negligência”, de três pessoas, duas arrastadas pela corrente da água e uma por eletrocussão.

“Foram mortes por negligência, isto porque na altura das chuvas as pessoas têm a ansiedade de ir tomar o banho e isso criou arrastão de duas pessoas e outro foi por eletrocussão”, adiantou.

“Continuamos ainda a fazer o levantamento para termos o número real das ocorrências”, referiu.

O município angolano de Viana, um dos mais populosos de Luanda, foi o mais afetado, segundo as autoridades.

O governador de Luanda, Sérgio Luther Rescova, deve visitar hoje as zonas mais afetadas pelas chuvas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

União Europeia

A Europa Social em questão

António Covas

A UE terá de conceber e implementar, por via de uma “cooperação reforçada”, um programa de ação em matéria de espaço social europeu, à semelhança do que se fez com o mercado único ou a moeda única.

Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)