Rádio Observador

Venezuela

Chefe de gabinete de Juan Guaidó detido em casa na Venezuela

205

Roberto Marrero, o chefe de gabinete do autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, e o deputado da oposição Sergio Vergara foram abordados em casa. Só Marrero foi levado.

Oposição aponta o dedo a Maduro e acusa-o de ter mandado a polícia a casa de ambos

Marco Bello/Getty Images

Mais sobre

Roberto Marrero, o chefe de gabinete do autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, e o vice-presidente da Comissão de Defesa e deputado, Sergio Vergara, terão sido abordados por agentes da secreta venezuelana, nas suas casas em Caracas, avança a Reuters. Segundo testemunhos de vários políticos nas redes sociais, os dois foram abordados na Urbanização Los Naranjos, em Las Mercedes, durante a madrugada.

O advogado Roberto Marrero foi mesmo detido e levado por agentes dos serviços de informação, disse aos joralistas o parlamentar Sergio Vergara, cuja residência fica nas proximidades e que também foi alvo de buscas. “Sequestraram Roberto Marrero, chefe do meu escritório (…). A operação começou às 02:00 horas aproximadamente. Nós não sabemos do seu paradeiro. Ele deve ser libertado imediatamente”, escreveu por seu lado Juan Guaidó, numa mensagem publicada na rede social Twitter. Marrero e Vergara acompanharam Guaidó numa viagem recente a países da América Latina para aumentar o apoio internacional aos seus esforços para remover Maduro da Presidência venezuelana.

Vergara, que não chegou a ser levado pelas forças policiais, já veio, entretanto, confirmar a abordagem na sua própria casa, numa ação que considera uma “violação dos direitos constitucionais e da imunidade parlamentar” de que goza. Em dois vídeos publicados na rede social Twitter, cerca de sete horas, depois de 15 homens encapuzados lhe terem entrado em casa, o deputado conta que entraram armados, que foram agressivos e que pergunatram onde vivia Robert Marrero. Mandaram sair todos os ocupantes da casa e mantiveram-no ali. Quando lhes dizia que estavam em clara violação d direitos, respondiam que estavam apenas a cumprir ordens.

Vergara ainda vou os agentes a trazerem o seu motorista para casa, mantendo-o também “sequestrado”. Depois bateram à porta da casa de Marrero, uns metros à frente. O responsável confirmou a detenção e disse que não pôde gravar nem recolher provas porque naquele momento não tinha telemóvel, mas que até com uma granada o ameaçaram. Na rede social Twiteterr apontou o dedo ao “tribunal do terrorismo”, a cargo do “juiz Parol Padilla e dos fiscais Farik Mora e Dinorah Bustamante”.

Robert Marrero ainda gravou uma mensagem de voz de apenas 11 segundos, que enviou por Whatsapp, em que diz a polícia está a chegar à sua casa e de Vergara a meio da madrugada. A gravação termina rapidamente.

Antes destas declarações, a informação tinha sido avançada pelo próprio Guaidó, que via rede social Twitter anunciou que desde cerca das 2h00 (6h00 em Lisboa) desta quinta-feira que os agente do Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (SEBIN) estão na casa de Sergio Vergara e do advogado Roberto Marrero.

Ambos integraram a comitiva de Juan Gaidó em vários países da América Latina.

O deputado Williams Dávila publicou um vídeo, também no Twitter, onde descreve a entrada dos agentes na casa dos apoiantes de Juan Guaidó. Numa primeira publicação, o deputado referia que estava a haver uma operação policial  no local onde vivia o chefe de gabinete do presidente interino. Logo de seguida, publicou um vídeo a descrever o que se estava a passar.

Diz que, pelo menos, desde as 3h30 que estão agentes da secreta no interior da casa. Que à porta estão homens armados que não o deixam passar e que o ameaçam deter caso desobedeça. “O mundo devia saber que a esta altura da noite, a tirania de Nicolas Maduro está a atuar de maneira cobarde e miserável”, refere.

Os Estados Unidos e cerca de 50 países da comunidade internacional, incluindo Portugal, reconheceram o opositor e presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, como Presidente interino da Venezuela, negando a legitimidade do governo liderado pelo Presidente Nicolás Maduro.

Na Venezuela, a confrontação entre as duas fações tem tido repercussões políticas, económicas e humanitárias.

No país residem cerca de 300.000 portugueses ou lusodescendentes.

Os mais recentes dados das Nações Unidas estimam que o número atual de refugiados e migrantes da Venezuela em todo o mundo se situa nos 3,4 milhões.

Só no ano passado, em média, cerca de 5.000 pessoas terão deixado diariamente a Venezuela para procurar proteção ou melhores condições de vida.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos
780

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)