Rádio Observador

Moçambique

ONU lança apelo de emergência para apoiar Moçambique nos próximos três meses

626

A ONU lançou um apelo de ajuda de emergência de 249 milhões de euros para ajudar Moçambique a recuperar do ciclone Idai. ""As Nações Unidas estão convosco", diz António Guterres.

António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas

SALVATORE DI NOLFI/EPA

O secretário-geral das Nações Unidas, o português António Guterres, disse esta segunda-feira, 25 de março de 2019, que a ONU está com os moçambicanos, vítimas do ciclone Idai, reconhecendo que a recuperação “vai levar tempo” e “exigir uma mobilização muito grande”. Simultaneamente as Nações Unidas lançaram um apelo de ajuda de emergência de 249 milhões de euros para ajudar Moçambique a recuperar durante os próximos três meses da devastação provocada pela passagem do ciclone Idai.

Numa mensagem áudio em língua portuguesa, disponibilizada pelos serviços das Nações Unidas, António Guterres começa por expressar a sua “total solidariedade ao povo moçambicano e ao seu Governo” face “à imensa tragédia que assolou Moçambique (…) E, ao mesmo tempo, as minhas sinceras condolências às famílias das centenas e centenas de moçambicanas e moçambicanos que morreram”, cujo número certo ainda é desconhecido, refere o secretário-geral das Nações Unidas.

Mark Lowcock, sub-secretário-geral da ONU para os assuntos humanitários, precisou que este novo apelo de financiamento será usado em água potável, saneamento, educação e na reabilitação dos meios de subsistência das centenas de milhares de pessoas deslocadas na sequência do ciclone Idai.

O representante das Nações Unidas esclareceu ainda que serão lançados pedidos de ajuda internacional separados para o Zimbabué e Maláui, países que também foram fortemente afetados pelo ciclone. Mark Lowcock acrescentou que os fundos para as vítimas do Idai estão a começar a chegar, nomeadamente os 25 milhões de euros canalizadas pelo Reino Unido, alertando, no entanto, que as verbas ainda estão longe de preencher as necessidades.

A diretora executiva do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Henrietta Fore, visitou hoje a cidade portuária da Beira (no centro de Moçambique), onde os efeitos do ciclone Idai assumiram proporções devastadoras, e advertiu para a situação de urgência no terreno.

É uma corrida contra o tempo“, afirmou Henrietta Fore, numa referência à ajuda aos milhares de deslocados e ao trabalho de prevenção de doenças. Segundo as Nações Unidas, o ciclone Idai afetou 1,85 milhões de pessoas em Moçambique, estimando-se que mais de 480 mil tenham sido desalojadas pelas cheias que submergiram e destruíram uma área de mais de 3.000 quilómetros quadrados.

Na mensagem, António Guterres manifesta, ainda, total solidariedade “a todos os que perderam membros das suas famílias ou perderam a sua casa, que viram as escolas onde os seus filhos estudavam destruídas, as estradas que percorriam desaparecer, que não mais têm a possibilidade de colher aquilo que semearam”.

A todos quero dizer que as Nações Unidas estão convosco, que os trabalhadores das agências das Nações Unidas, no plano humanitário, no plano do desenvolvimento, desde a primeira hora, procuram fazer o seu melhor para ajudar o povo moçambicano a sair desta crise enorme e a recomeçar o seu caminho de desenvolvimento”, garante o secretário-geral da organização.

Reconhecendo que “vai ser duro, vai levar tempo, vai exigir uma mobilização muito grande de todos os esforços, nacionais e internacionais“, António Guterres assegura: “Mas nós, nas Nações Unidas, estamos convosco e estamos, ao mesmo tempo, a apelar à comunidade internacional para uma ajuda maciça a Moçambique, para que Moçambique possa recuperar o mais depressa possível desta imensa tragédia”.

A passagem do ciclone Idai em Moçambique, no Zimbabué e no Maláui fez pelo menos 762 mortos, segundo os balanços oficiais mais recentes. Em Moçambique, o número de mortos confirmados subiu hoje para 447, no Zimbabué foram contabilizadas 259 vítimas mortais e no Maláui as autoridades registaram 56 mortos. O Governo moçambicano adiantou que estes números ainda são provisórios, já que à medida que o nível da água vai descendo vão aparecendo mais corpos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)