Madeira

Governo da Madeira quer que residentes não paguem mais de 86 euros por voo

221

Presidente do governo regional quer criar sistema em que residentes não paguem mais de 86 euros por voo do arquipélago para o continente, à semelhança do que já existe para estudantes.

Miguel Albuquerque criticou os preços da TAP, dizendo que estão "em rédea livre"

HOMEM DE GOUVEIA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente do Governo Regional da Madeira anunciou este domingo que o seu executivo quer adotar um regime que permita aos residentes no arquipélago comprar voos para o continente por um preço máximo de 86 euros.

“O que nós vamos fazer é avançar rapidamente para ver se, antes do verão, conseguimos montar um sistema semelhante àquele que montámos para os estudantes, no sentido de os madeirenses só pagarem 86 euros”, afirmou Miguel Albuquerque, adiantando que o montante necessário para pagar o restante até ao teto máximo de 400 euros será feito “através de um fundo”.

Em declarações ao grupo RTP-Madeira, à margem da Festa do Limão, que se realiza na freguesia da Ilha, no norte da Madeira, Miguel Albuquerque reconheceu, no entanto, que tem receio do que o Governo da República possa decidir, já que a região precisa de uma autorização do executivo de António Costa e da colaboração dos CTT.

“O que nós receamos é que nós precisamos da colaboração dos Correios para o fazer e precisamos de uma autorização do Governo da República e, portanto, vamos avançar com o sistema e vamos tentar antes do verão concretizá-lo. E a única coisa que o pode impedir é a autorização do Governo da República ou a influência que o Governo da República pode ter nos CTT”, disse.

Desde novembro de 2018 que o executivo insular tem ativo o programa “Estudante Insular” que permite quatro viagens de ida e quatro de volta aos estudantes madeirenses no continente português por 65 euros, pagando a região o remanescente, até ao teto máximo de 400 euros.

Miguel Albuquerque voltou a criticar os preços da TAP, afirmando estar “em rédea livre” e “a praticar preços inqualificáveis”, classificando o que se passa em termos de valores “como um desaforo aos madeirense e à economia regional”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
25 de Abril

O meu 25 de Abril

José Pinto

O 25 de Abril de 1974 valeu bem a pena sobretudo por tudo aquilo que veio a significar quando a poeira revolucionária poisou e Portugal começou a acertar o relógio pelos ponteiros da História.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)