Rádio Observador

Miguel Oliveira

Miguel Oliveira termina GP das Américas em 14.º e volta a pontuar

338

O piloto português da Tech 3 arrancou de 18.º mas fez uma corrida de escalada e terminou em 14.º. Miguel Oliveira volta a pontuar no Moto GP, depois de se ter estreado nos pontos há duas semanas.

O piloto português conquistou os primeiros pontos no GP anterior, na Argentina

Getty Images

Miguel Oliveira começou a qualificação para o Grande Prémio das Américas a surpreender. O piloto português da Tech 3 arrancou a primeira ronda com o tempo mais rápido e chegou a voltar ao topo da classificação já a meio da eliminatória inicial. Ainda assim, depois de dar indícios de que poderia ser a surpresa da qualificação e agarrar um lugar muito confortável na grelha de partida, Miguel Oliveira acabou ir caindo ao longo da lista de pilotos e não conseguiu melhor do que a 18.ª posição na hora do arranque. E o piloto português não escondeu a desilusão.

“Foi um dia complicado, devido às condições meteorológicas que se fizeram sentir (…) deu para confirmar algumas alterações na moto e portanto vamos fazer o melhor possível para termos um bom ritmo e prepararmos o melhor possível a corrida. Ficámos um pouco fora do nosso objetivo, mas vai ser uma corrida longa e muito física e portanto vamos dar o nosso máximo, como sempre, para seguir dentro daquilo que é o nosso objetivo”, indicou Miguel Oliveira, que depois de conquistar os primeiros pontos de um piloto português no Moto GP há duas semanas, no Grande Prémio da Argentina (terminou em 11.º), não escondeu que o plano é continuar a lutar pelas posições pontuáveis. No Instagram, o piloto garantia que estava “pronto e focado”.

O piloto português não arrancou bem e perdeu logo duas posições na primeira curva, caindo para o 21.º lugar. No final da volta inicial, porém, o piloto da Tech 3 já tinha recuperado um lugar e mantinha um bom ritmo que o colocava sempre perto das motos que rodavam à sua frente, sendo previsível a escalada de mais algumas posições. À sexta volta, o português era já 15.º, posição pontuável, e estava colado a Johann Zarco, à procura de um lugar mais confortável entre os pontos. Entretanto, à volta 8 e na frente do pelotão, Marc Márquez caiu e deixou a pista aberta para Valentino Rossi regressar às vitórias no Moto GP.

Miguel Oliveira continuou a galgar posições, beneficiou da queda de Jorge Lorenzo e chegou à 12.ª volta a lutar pelo 12.º lugar com Zarco. Ainda assim, a cinco voltas do final, o piloto português acabou por ser apanhado por Maverick Viñales e caiu para 14.º, posição de onde já não saiu até cortar a meta do GP das Américas. Lá à frente, Rossi acabou por ser ultrapassado por Álex Rins (que se estreou nas vitórias) e não conseguiu voltar às vitórias que escapam desde 2017, terminando em segundo, e Jack Miller fechou o pódio, à frente de Andrea Dovizioso.

Miguel Oliveira volta a entrar em pista no fim de semana de 3 a 5 de maio, no Grande Prémio de Espanha, no circuito de Jerez de la Frontera. O piloto português da Tech 3 voltou a conquistar pontos no Moto GP depois de se ter estreado nas posições pontuáveis há duas semanas, na Argentina. “Mais uns pontos alcançados! Continuamos focados em melhorar e cumprir os nossos objetivos”, reagiu Oliveira no Instagram.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)