Clima

Jovem ativista sueca critica políticos por nada fazerem face às alterações climáticas

761

"Manifestamo-nos não para que tireis selfies comigo, mas para que ajam", criticou a jovem. Greta Thunberg afirmou que o desinteresse dos políticos pelo clima é comum a todos os países.

A jovem de 16 anos é atualmente uma das principais vozes contra as alterações climáticas

ALESSANDRO DI MEO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A ativista sueca Greta Thunberg criticou esta quinta-feira perante o Senado italiano que os políticos felicitem as suas iniciativas no combate às alterações climáticas, mas não atuem, dizendo que “nada está a ser feito para deter a destruição do clima”.

“Quando viajo pelo mundo, com frequência encontro pessoas importantes que me felicitam e, francamente, para mim é estranho porque não sei por que se congratulam”, disse a jovem estudante de 16 anos, convertida atualmente numa das vozes mais proeminentes contra as alterações climáticas, depois de ter iniciado o movimento “greve pelo clima”.

Perante os senadores italianos, que a aplaudiram em várias ocasiões, a ativista falou das greves escolares que convocou todas as sextas-feiras pelo mundo fora contra as alterações climáticas, salientando que os jovens “saíram para as ruas, mas nada mudou”. “Não queremos sacrificar a nossa educação, adolescência e infância para que nos digam o que está nas vossas mãos. Manifestamo-nos não para que tireis selfies comigo, mas para que ajam”, criticou a jovem.

Como já o fizera no Parlamento Europeu, Greta Thunberg alertou que as alterações climáticas e os desastres que delas provêm serão irreversíveis em 2030 e sublinhou que o prognóstico “baseia-se em dados científicos”. Para evitar uma “autêntica emergência” a nível global, a jovem sueca defendeu que, em primeiro lugar, será necessário tomar consciência de que é já uma realidade, e insistiu: “os seres humanos adaptam-se e esta é uma oportunidade, porém não nos podemos atrasar mais”.

“Basta querer!”, afirmou, dando como exemplo a viagem do homem à Lua, a reconstrução após a segunda guerra mundial ou, mais recentemente, a angariação de fundos para reconstrução da catedral de Notre-Dame, destruída por um incêndio. A jovem apelou para que se ponha “um ponto final” na emissão de gases com efeito de estufa, “parando progressivamente de queimar combustíveis fósseis que destroem o ecossistema”.

A ativista vincou que, por outro lado, será fundamental que os políticos, nesta missão, “apoiem os cientistas para um combate em conjunto”. “Eles precisam da vossa compreensão, mas parece que não vos interessa escutar a ciência, porque só querem ouvir soluções que vos permitam seguir como até agora, porém isso não é possível porque a mudança está a chegar, gostem ou não”, declarou.

Greta Thunberg afirmou que “este suposto desinteresse da classe política é igual em todos os países”, porque, “fundamentalmente, nada se está a fazer para retardar e deter a destruição do clima, apesar dos grandes discursos dos líderes políticos”. “A diferença é que alguns países falam mais do que outros, mas a verdade é que não existem modelos que sirvam de exemplo”, criticou.

Na quarta-feira, o Papa Francisco incentivou a jovem a “seguir em frente”. Greta Thunberg estará presente no protesto de sexta-feira dos jovens italianos pelo clima, marcado para a Praça do Povo, em Roma.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)