Paris

Últimos quadros que resistiram ao incêndio da catedral Notre-Dame são retirados esta sexta-feira

Os últimos quadros que permaneciam no interior da catedral Notre-Dame e "que não foram danificados" vão ser "colocados em segurança durante o dia" desta sexta-feira.

CHRISTOPHE PETIT TESSON / POOL/EPA

Os últimos quadros que permaneciam no interior da catedral Notre-Dame e “que não foram danificados” vão ser “colocados em segurança durante o dia” desta sexta-feira, anunciou o ministro da Cultura francês, Franck Riester.

“Os quadros no interior da catedral foram poupados pelas chamas e podem ser retirados, depositados e transportados em segurança”, anunciou hoje o ministro Franck Riester, citado pela agência AFP.

“Todos os quadros serão retirados durante o dia”, referiu o ministro francês com a tutela do património e dos monumentos históricos.

Estas pinturas “não foram danificadas (…), estão em condições quase normais”, acrescentou Franck Riester, que falava no pátio da catedral devastada pelo incêndio na segunda-feira à noite.

Os quadros, entre eles grandes telas outrora oferecidas pelos ourives de Paris, foram depositados, cuidadosamente empacotados e colocados em camiões que as levarão para “locais seguros”.

Entre os quadros encontram-se obras de Laurent de La Hyre e de Charles Le Brun, dois pintores do século XXVII.

Depois de salvaguardadas estas obras, deverão permanecer na catedral apenas quatro, igualmente intactas, mas que ainda não estão acessíveis por razões de segurança.

“Estamos hoje num estado de espírito muito positivo em relação às obras que estavam na catedral”, afirmou Franck Riester.

O Presidente francês Emmanuel Macron recebeu esta sexta-feira uma delegação da UNESCO para fazer o ponto da situação sobre as ajudas internacionais, acompanhado pelo general Jean-Louis Georgelin, nomeado pela presidência para supervisionar a reconstrução de Notre-Dame.

Numerosos países como a Rússia, os Estados Unidos, o Chile, a Alemanha ou Marrocos ofereceram ajuda para a reconstrução da catedral.

O Presidente russo, Vladimir Putin, manifestou-se disponível para “enviar para França os melhores especialistas russos”, o Presidente norte-americano, Donald Trump, também ofereceu a ajuda de especialistas americanos e o Presidente chileno, Sebastian Pinera, propôs quinta-feira enviar cobre e madeira.

O incêndio na catedral de Notre-Dame, um dos edifícios icónicos de Paris e da arte gótica, foi declarado extinto pelas autoridades francesas pouco antes das 10:00 de terça-feira (09:00 em Portugal).

O incêndio, que demorou cerca de 15 horas até ser extinto, começou na segunda-feira, cerca das 18:50 locais (17:50 em Portugal).

A Procuradoria de Paris disse que os investigadores estavam a considerar o incêndio como um acidente.

No local, o Presidente francês, Emmanuel Macron, afirmou que o pior tinha sido evitado e prometeu que a catedral do século XII será reconstruída.

A tragédia de Notre-Dame gerou mensagens de pesar e de solidariedade de chefes de Estado e de Governo de vários países, incluindo Portugal, bem como do Vaticano e da ONU.

“Majestoso e sublime edifício”, como escreveu em 1831 o escritor francês Victor Hugo no seu romance “Notre-Dame de Paris”, a catedral foi construída em 1163 e iniciou a função religiosa em 1182.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)