Operação Marquês

Operação Marquês: Arguido Rui Mão de Ferro diz que não foi “testa de ferro”

174

O administrador de empresas Rui Mão de Ferro negou em tribunal ter sido usado como 'testa de ferro' de Carlos Santos Silva e José Sócrates. E disse que só cumpriu ordens.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O administrador de empresas Rui Mão de Ferro, arguido no processo Operação Marquês, negou esta terça-feira em tribunal ter sido usado como ‘testa de ferro’ de Carlos Santos Silva e José Sócrates, limitando-se a dizer que cumpriu ordens. Fonte ligada ao processo disse que no interrogatório, Rui Mão de Ferro reiterou o que já havia alegado no requerimento da abertura de instrução e que continua a negar ter cometido qualquer ilícito.

Recusou ter qualquer envolvimento no esquema apontado pelo MP, e defendeu que se limitou a cumprir ordens de Carlos Santos Silva. O arguido, ainda segundo a mesma fonte, garantiu que não conhecia o ex-primeiro-ministro, tendo estado apenas uma vez com ele, mas que sabia que Carlos Santos Silva e José Sócrates eram amigos.

O Ministério Público tem outro entendimento da participação de Rui Mão de Ferro no esquema da Operação Marquês e acusou o arguido de branqueamento de capitais e falsificação de documentos, alegando que este esteve envolvido em negócios com o empresário Carlos Santos Silva e que foi um dos seus ‘testas de ferro’ e de José Sócrates.

Segundo a acusação, o administrador de diversas sociedades do universo empresarial de Carlos Santos Silva terá recebido cerca de 400 mil euros como contrapartida para ser ‘testa de ferro’ em várias transferências de dinheiro e contrato, mas o arguido alega que foram salários. O interrogatório de Rui mão de Ferro durou mais de três horas no Tribunal Central de Instrução Criminal.

Na sessão de quarta-feira será ouvido outro arguido, o advogado Gonçalo Trindade Ferreira que irá a tribunal a pedido de Rui Mão de Ferro.

O inquérito Operação Marquês tem 28 arguidos – 19 pessoas e nove empresas – e investigou a alegada prática de quase duas centenas de crimes de natureza económico-financeira. O ex-primeiro ministro José Sócrates é acusado de corrupção passiva de titular de cargo político, branqueamento de capitais, falsificação de documentos e fraude fiscal qualificada.

O MP acredita que Sócrates recebeu cerca de 34 milhões de euros, entre 2006 e 2015, a troco de favorecimentos a interesses do ex-banqueiro Ricardo Salgado no Grupo Espírito Santos e na PT, bem como para garantir a concessão de financiamento da Caixa Geral de Depósitos ao empreendimento de luxo Vale do Lobo, no Algarve, e por favorecer negócios do Grupo Lena, entre outras imputações.

Entre os 28 arguidos estão Henrique Granadeiro, Zeinal Bava, Armando Vara, Bárbara Vara, Joaquim Barroca, Helder Bataglia, empresas do grupo Lena (Lena SGPS, LEC SGPS e LEC SA) e a sociedade Vale do Lobo Resort Turísticos de Luxo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)