Rádio Observador

Eleições Europeias

Comissária europeia acusada de usar meios da Comissão para apoiar candidatura de Pedro Marques

3.170

A socialista romena Corina Cretu terá usado meios da Comissão Europeia, violando o Código de Conduta, para gravar vídeo de apoio ao cabeça de lista do PS português às Europeias.

Corina Cretu, romena e socialista, é a comissária responsável pelos fundos europeus.

OLIVIER HOSLET/EPA

A comissária europeia para a Política Regional, responsável pela supervisão dos fundos europeus, terá usado meios da Comissão Europeia para gravar um vídeo de apoio ao cabeça de lista do PS às eleições europeias. A Comissão Europeia diz que não vê qualquer irregularidade no vídeo gravado para a campanha socialista e Pedro Marques garante que a comissária sabia que o seu testemunho era para ser usado como material de campanha.

A notícia foi avançada pela SIC que refere as alterações que o presidente da Comissão Europeia promoveu ao Código de Conduta para Membros da Comissão Europeia para permitir que os comissários europeus possam fazer campanha sem terem de cessar funções. Mas nesse documento consta que os membros da comissão que pretendam participar em ações de campanha “devem informar o presidente da sua intenção” e ele é que deve decidir “se a participação em causa é compatível como desempenho das funções de membro da Comissão”. Mas há uma coisa que lhes fica, desde logo, interdita: “Não podem usar os recursos humanos ou materiais da Comissão durante esse período”.

E é precisamente isto que, segundo a SIC, a socialista romena Corina Certu terá feito no vídeo gravado em frente ao Edifício Berlaymont, sede da Comissão Europeia. O testemunho não chega a ter dois minutos de duração, mas não deixa qualquer dúvida sobre o carácter propagandístico. A comissária que tem a pasta dos fundos europeus — uma pasta apontada ao candidato socialista numa futura Comissão — diz “ter testemunhado o sucesso de Portugal na implementação da política de coesão” e atribui esse papel diretamente a Pedro Marques.

Em Portugal, o socialista tem sido atacado pela oposição sobre a má aplicação dos fundos comunitários no tempo em que foi o ministro do Planeamento e responsável por esta pasta no Governo — funções que terminou em fevereiro para ser o cabeça de lista do PS às Europeias. Corina Cretu surge a dar uma ajuda na contestação desse argumento ao dizer, no tal vídeo, que “é de notar que Portugal é um dos países de topo em termos de implementação de fundos”.

Sobre Pedro Marques diz que foi “graças ao seu trabalho e de toda a sua equipa que foram concretizados muitos projetos concretos em Portugal” que, por sua vez, “contribuíram para a recuperação económica e social de Portugal”. Também diz que o socialista “é um dos melhores embaixadores do projeto europeu e um ótimo negociador”.

Contactada pelo canal televisivo, a Comissão diz que o vídeo não tem qualquer irregularidade e que apenas explica a cooperação entre a Comissão e o Governo em matérias de política de coesão. Pedro Marques garantiu à SIC que a comissária soube sempre que o seu testemunho era para ser usado no contexto eleitoral.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)