Rádio Observador

Serviço Nacional de Saúde

Marcelo. Lei que impeça PPP na saúde seria “irrealista”

Para Marcelo, uma lei de bases da saúde pode ser "mais ou menos qualificativa" quanto à frequência com que o Estado pode recorrer às PPP, mas não as deve riscar. Soou a aviso.

NUNO VEIGA/LUSA

Na última sexta-feira, o semanário Expresso avançou que Marcelo Rebelo de Sousa vetaria qualquer lei de bases da saúde da esquerda que impusesse o fim das parcerias público-privadas (as chamadas PPP) na saúde. Esta segunda-feira, no programa de comentário político “O Outro Lado” da RTP3 — em que estiveram também Ana Drago, José Eduardo Martins e Pedro Adão e Silva –, o presidente da República reforçou o aviso: uma lei que proíba estas parcerias no SNS é “irrealista”.

A minha opinião não é ideológica, é pragmática: uma lei que feche totalmente essa hipótese é uma lei irrealista. Nem me parece que haja alguém que pense em fechar totalmente essa hipótese, quer em relação ao setor social quer em relação ao setor privado. Hão-de existir situações em que a gestão pública integral do SNS não é possível”, lembrou Marcelo.

Embora o presidente da República admita que a nova lei de bases da Saúde poderá “traduzir o espírito da maioria” política atual — de esquerda —, Marcelo defende que a lei deve permitir “no futuro acautelar a possibilidade de se recorrer [também] à gestão — mais ampla ou menos ampla — por parte do setor social e privado”.

Isto porque para Marcelo, hoje em dia “já não é possível” o Estado gerir integralmente o Serviço Nacional de Saúde sem parcerias com outras entidades. Existem “situações de nicho em que isso não é possível” — o PR tinha dado pouco antes o exemplo dos cuidados continuados de saúde, para os quais o setor social contribui — e ainda podem existir ciclos com “crises económicas, crises financeiras e situações orçamentais” específicas que dificultem ainda mais essa gestão integralmente estatal do SNS.

Por tudo isto, Marcelo Rebelo de Saúde não coloca a questão das PPP na saúde “no plano doutrinário ou ideológico”. Acha, isso sim, que uma lei de bases da saúde deve “prever formas ou válvulas de escape” à intransigência extrema contra as PPP. Foi isso que deu a entender quando sugeriu que poderia aprovar uma lei com uma fórmula “na base daquela que foi apresentada pelo governo” inicialmente, que previa que o setor privado e o setor social pudessem participar na gestão do Serviço Nacional de Saúde de forma “supletiva’ e ‘temporariamente”.

Uma fórmula mais qualificativa ou menos, ‘a título supletivo’ ou ‘a título complementar’, ‘em circunstâncias excecionais’, ‘em função da ponderação de circunstâncias’…” exemplificou Marcelo, sugerindo formulações que poderiam ser “válvulas de escape” para não fechar a porta por inteiro às PPP na saúde.

Ou seja, ficou a mensagem para a Geringonça: cheguem a um acordo quanto à formulação, mas não risquem do mapa — para o futuro — o instrumento das PPP. Questionado pelo moderador relativamente ao que faria perante uma lei de bases da saúde apresentada pela esquerda que não tivesse as condições que enumerou como ideais, Marcelo respondeu simplesmente: “Não vejo porque é que não há-de ser assim”. Se a vetaria ou não, não o disse claramente. Que se oporia, isso é claro — o PR só não clarificou de que forma, preferindo marcar as linhas vermelhas.

A questão tem dividido Governo e Bloco de Esquerda, com o partido de Catarina Martins a insistir na necessidade de clarificar na lei que as atuais PPP não devem ser renovadas depois do fim dos respetivos contratos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

O Seguro Público de Saúde

Fernando Leal da Costa

O seguro público é uma questão de esquerda contra a direita? Não é! Será impopular? Provavelmente para uma parte da população. Os Portugueses não gostam de pagar. Quem gosta?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)