Portos

Portos portugueses movimentam mais 4,3% de carga até fevereiro

As cargas mais transportadas são produtos petrolíferos, carvão e contentores. Os portos de Setúbal e Leixões registaram, até fevereiro, "a melhor marca de sempre" no segmento dos contentores.

O transporte de petróleo bruto teve uma quebra no período considerado, de acordo Autoridade da Mobilidade e dos Transportes

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os portos de Portugal Continental movimentaram mais 4,3% de carga até fevereiro face ao mesmo período de 2018, atingindo 15,35 milhões de toneladas, divulgou esta terça-feira a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT).

De acordo com um relatório de atividades de fevereiro da AMT, “ao período de dois meses corresponde um acréscimo global de 627 mil toneladas, com destaque para o contributo dos portos de Sines [+744 mil toneladas], Leixões [+110 mil toneladas] Setúbal [+90 mil toneladas] e Viana do Castelo [+26 mil toneladas] na anulação das quebras registadas nos portos de Lisboa [-208 mil toneladas, Figueira da Foz [-88 mil toneladas], Aveiro [-37 mil toneladas] e Faro [-9 mil toneladas]”.

O desempenho global positivo do sistema portuário do continente resultou das tipologias de carga produtos petrolíferos (+451 mil toneladas), carga contentorizada (+435 mil toneladas), carvão (+174 mil toneladas) e carga fracionada (+121 mil toneladas), inversamente às quebras de petróleo bruto, outros granéis sólidos e produtos agrícolas.

Segundo a AMT, “os acréscimos registados nos 32 mercados com desempenho positivo devem-se, em maioria, aos portos de Sines e de Leixões na carga contentorizada carvão’ e ‘produtos petrolíferos’, sendo que, “em termos de desempenho positivo, também o porto de Aveiro ganha destaque com a ‘carga fracionada'”.

Relativamente aos mercados com desempenho negativo, num total de 18 no período em análise, assinala-se o petróleo bruto nos portos de Sines (-17,4%) e de Leixões (-24,8%), seguido da carga contentorizada no porto de Lisboa (-14,4%), outros granéis sólidos nos portos de Aveiro (-27%) e de Lisboa (-19,4%) e a carga fracionada no porto da Figueira da Foz (-39%).

Os portos de Setúbal e Leixões registaram, até fevereiro, “a melhor marca de sempre” no segmento dos contentores, segmento que registou um aumento de 10% em termos de desempenho global, com 495.814 TEU [medida-padrão utilizada para calcular o volume de um contentor].

Também o porto de Sines registou um aumento de 14,1% face ao período homólogo de 2018, com um volume de 291.961 TEU, enquanto Lisboa e Figueira da Foz registaram variações negativas de 11,2% e 12,3% respetivamente.

A AMT nota que o porto de Sines manteve a liderança deste segmento de mercado em janeiro e fevereiro de 2019, com uma quota de 58,9%, mais 2,1 pontos percentuais face ao mesmo período de 2018, e que também o porto de Leixões aumentou a sua quota para 22,3% (+2,5 pontos percentuais), inversamente a Lisboa e Setúbal, com um decréscimo de 3,1 e 0,3 pontos percentuais, respetivamente.

Ainda no porto de Sines, é destacado o decréscimo do peso do transhipment no volume movimentado no próprio porto e o “forte crescimento” no tráfego com o hinterland, que registou um acréscimo de 43,6%, superior em 24,3% ao volume movimentado em Lisboa e inferior em 27,4% ao porto de Leixões.

Em termos de escalas, o valor registado no período em análise (1.622) representa uma quebra de 3,9% face a 2018, assinalada em todos os portos à exceção de Setúbal (que aumentou 6,1%) e de Sines, que manteve o valor registado em 2018. A quebra mais significativa ocorreu em Lisboa e na Figueira da Foz.

Já no que concerne à arqueação bruta, o porto de Leixões assinalou “a melhor marca de sempre” nos períodos homólogos, tendo ultrapassado os 5,2 milhões, num acréscimo de 10,8%, sendo ainda assinalado o crescimento em Sines, com 15,5 milhões, correspondente a mais 10,9%. Os restantes portos registam uma quebra neste indicador, mais intensa nos portos de Lisboa e de Setúbal.

No período em análise, Viana do Castelo, Figueira da Foz, Setúbal e Faro são apontados pela AMT como “os portos com perfil exportador” (com volume de carga embarcada superior ao da carga desembarcada), apresentando quocientes entre carga embarcada e o total movimentado de 55,5%, 69,8%, 53,8% e 100%, respetivamente.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Transportes

Portos: a análise que ficou por fazer

João Fernando do Amaral Carvalho

O nosso setor portuário deve ser analisado no contexto europeu e não apenas a nível nacional, tendo em conta as suas especificidades e dimensão, sob pena de levar à diminuição da sua competitividade.

Demografia

Envelhecimento e crescimento económico /premium

Manuel Villaverde Cabral

Nada é mais importante para países como Portugal do que o imparável envelhecimento da população e as suas consequências a todos os níveis da sociedade, da saúde ao potencial de crescimento económico.

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)