Rádio Observador

Parlamento Europeu

Eurodeputados têm rendimentos de até 1,2 milhões de euros durante o seu mandato

3.234

O salário base mensal dos eurodeputados é de 6.824,85 euros mas chegam a receber 250 mil euros por ano, o que corresponde a um total de 1,2 milhões de euros durante os cinco anos de mandato.

Juntamente ao salário, acrescem os subsídios, levando a que um eurodeputado chegue a receber 250 mil euros por ano, o que corresponde a um total de 1, 4 milhões de euros durante o mandato

PATRICK SEEGER/EPA

O salário mensal dos deputados ao Parlamento Europeu, antes da dedução de impostos é de 8.757,70 euros e após os descontos comunitário  ficam com 6.824,85 euros. Além disso, na maioria dos países da UE os deputados pagam ainda um imposto nacional suplementar no seu país de origem.

O ordenado final de um deputado, depois de impostos, depende das normas de tributação no seu país e pode chegar aos 20 mil euros mensais, devido a ajudas de custo, escreve o Jornal de Notícias na sua edição impressa desta segunda-feira

Em entrevista ao JN, a socialista Ana Gomes não o considera excessivo. “Acho que é adequado, controlado e rigoroso. Os políticos em Portugal é que são mal pagos, o que cria situações que são portas abertas para a promiscuidade, corrupção e alguns esquemas”.

O ex-autarca Fernando Ruas considera serem “vencimentos normais e iguais para deputados de todos os países. São confortáveis para o cargo”.

Contrariamente, Marinho e Pinto afirmou ao JN que este rendimento “é excessivo”, o pagamento de 20 mil euros mensais aos deputados, que corresponde aos subsídios atribuídos além dos salários, “afasta os eleitores dos eleitos, fazendo a ascensão do populismo”.

Com a entrada em vigor do Estatuto Único dos Deputados, em julho de 2009, os deputados ao Parlamento Europeu passaram a receber todos o mesmo salário mas ainda assim há algumas exceções ao Estatuto Único. Os deputados que exerceram um mandato antes das eleições de 2009 puderam optar por manter o anterior regime nacional aplicável aos salários, recebiam o mesmo montante que os deputados nacionais.

O salário de base corresponde a 38,5 % do vencimento de base de um juiz do Tribunal de Justiça Europeu, o que significa que os deputados ao Parlamento Europeu não decidem, nem podem decidir, sobre o seu próprio salário.

Os salários são suportados pelo Parlamento Europeu.

Um eurodeputado pode receber 250 mil euros por ano

Ao salário acrescem os subsídios, levando a que um eurodeputado chegue a receber 250 mil euros por ano, conclui o Jornal de Notícias. Ou seja, corresponde a um total de 1,2 milhões de euros durante os cinco anos de mandato.

Um eurodeputado recebe 4.513 euros mensais para custos com o gabinete, 320 euros diários para despesas de alojamento e alimentação, mais 24.943 euros mensais para pagar assistentes (que no caso dos 21 eurodeputados portugueses  são 90).

Podem ainda pedir a devolução de despesas de transporte e têm direito a usar veículos oficiais do Parlamento Europeu. Recebem um subsídio de 150 euros por cada sessão de reuniões fora da União Europeia e têm direito ao reembolso de dois terços das suas despesas de saúde e seguro de saúde.

No final do mandato ainda têm direito a um subsidio de reintegração igual ao seu vencimento, equivalente a um mês por cada ano de mandato, pelo período máximo de dois anos.

O eurodeputado do PSD, Fernando Ruas diz ao JN que “esses subsídios não podem ser contabilizados como salários. Servem para cobrir despesas”, sublinhando que o seu “vencimento é de seis mil euros”.

Os deputados também têm direito a uma pensão de aposentação a partir dos 63 anos. O montante da pensão equivale, por cada ano completo de exercício do mandato, a 3,5 % do montante do salário, não podendo, porém, exceder 70% no total. Em caso de morte, o conjugue recebe 60% do valor da pensão do eurodeputado e os filhos 20%. O custo destas pensões é suportado pelo orçamento da União Europeia.

O Parlamento Europeu é composto por 751 deputados eleitos nos 28 Estados-Membros da União Europeia alargada. Desde 1979, os deputados ao Parlamento Europeu são eleitos por sufrágio universal directo e por cinco anos. As próximas eleições decorrem a 26 de maio.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Parlamento Europeu

Portugal poucachinho na Europa. E cá?

Bruno Martins

Se estes são os representantes que conseguimos ter, então não é de espantar que os Portugueses tenham cada vez menos interesse na Europa e que a abstenção continue a aumentar nessas eleições.

Novo Acordo Ortográfico

Uma comunidade às avessas

José Augusto Filho

Da forma em que foi conduzido, o Acordo serve mais para enfraquecer a língua de Camões do que para disseminá-la. Quanto aos ganhos políticos e económicos esperados, foram até agora praticamente nulos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)