Cerca de meio milhão de pessoas vão ser vacinadas contra a cólera nas regiões afetadas pelo ciclone Kenneth, no norte de Moçambique, anunciou esta quinta-feira o Ministério da Saúde (Misau) moçambicano.

“Temos a vacina sim, mas ela não vai resolver o problema da cólera. A vacina é um paliativo, é para reduzir a transmissão”, disse Rosa Marlene, diretora nacional de saúde pública em conferência de imprensa.

A província de Cabo Delgado regista casos de cólera em três distritos, nomeadamente nas cidades de Pemba, Mecufi e Metuge. O Governo moçambicano prevê receber a vacina no dia 12 de maio. A província de Cabo Delgado tem igualmente centros de tratamento de doenças diarreicas para conter a propagação da doença.

O Misau anunciou ainda a distribuição de 10 mil redes mosquiteiras para o combate a malária, a doença que mais tem atingido a população na região afetada pelo ciclone Kenneth.

O país foi pela primeira vez atingido por dois ciclones muito intensos na mesma época chuvosa (de novembro a abril). O ciclone Idai atingiu o centro de Moçambique em março, provocou 603 mortos e afetou cerca de 1,5 milhões de pessoas, enquanto o ciclone Kenneth, que se abateu sobre o norte do país em abril, matou 45 pessoas e afetou 250.000 pessoas.