Rádio Observador

Cuidado: está quente

Chef João Rodrigues no topo de Lisboa com o novo Rossio Gastrobar

O líder do Feitoria, fine dining Michelin em Belém, ganhou um poiso mais relaxado onde, com a ajuda de João Correia, serve comida que nos faz ver estrelas. Literalmente, se não estiver nublado.

O que interessa saber

Nome: Rossio
Abriu em: Maio de 2019
Onde fica: No hotel Altis Avenida, Rua 1º de Dezembro, 118, Lisboa
O que é: O novo restaurante do estrelado chef João Rodrigues, do Feitoria, que em muito se assemelha à linha descontraída e altamente criativa da nova vaga de bistros que tem chegado a Lisboa.
Quem manda: O Grupo Altis
Quanto custa: Entre 25€ e 30€
Uma dica: Que aqui se come bem não há dúvidas, e no que a bebida diz respeito também existem opções muito interessantes, seja na oferta de vinhos naturais seja na carta de cocktails
Contacto: 210 440 017
Horário: De domingo a segunda, das  12h30 às 1h (cozinha aberta até às 00.30)
Links Importantes: FacebookSite

A História

Rossio Gastrobar é o nome do novo projeto do chef João Rodrigues com os hotéis Altis mas tudo nele justificaria um nome diferente, algo como “Astrobar”, afinal trata-se do novo “rooftop” de Lisboa (de onde se pode ver de perto o céu estrelado e muito mais) e é um dos Michelin nacionais que lhe dá vida.

Piadas à parte, esta novidade lisboeta surgiu de um “acrescento” feito ao já existente hotel Altis Avenida, na zona dos Restauradores, em Lisboa. O prédio vizinho a este edifício, que pertencia à Câmara Municipal de Lisboa (era o Serviços de Projetos Arquitetónicos), ficou disponível e decidiram aproveitar: ficaram com ele, aumentaram o número de quartos do Avenida (que soma agora um total de 118, mais 48 do que tinha) e transformaram o último andar, uma antiga cantina, neste Gastrobar. No total a remodelação demorou um ano e meio a ser concluída, processo que se estendeu por mais tempo porque o hotel não deixou de funcionar durante as obras.

A opção de juntar o chef João Rodrigues — que tem uma estrela Michelin no Feitoria — ao projeto foi o “twist” necessário para que este Gastrobar, um sítio onde se podem comer pratos leves e partilháveis enquanto se bebe um copo de vinho ou um cocktail, ganhasse uma identidade própria. Este João juntou-se a outro, o homónimo de apelido Correia que tinha vindo a desenvolver a oferta gastronómica de todo o Avenida e assim nasceu esta novidade.

O chef João Correia, que será o residente fixo deste Rossio Gastrobar, ajudou o estrelado João Rodrigues no desenvolvimento da ementa.

O Espaço

A viagem por este Rossio Gastrobar começa ao nível da rua, na simples mas requintada nova entrada, criada de propósito para servir o espaço gastronómico, onde só mora a porta do elevador que nos leva ao 7º andar. Entramos nele, esperamos uns minutos e, ao chegar, somos recebidos pelos tons de verde, castanho e cinzento que se unem num estilo próximo do art deco (inspiração que não vem ao acaso já que o arquiteto do edifício foi o modernista Cristino da Silva), pensado pelas arquitetas Cristina Santos e Silva e Ana Menezes Cardoso.

Há um púlpito logo à saída do elevador onde a hostess o recebe antes de o encaminhar para um de dois sítios: as mesas interiores ou, se estiver com sorte e ainda tiver lugar, as exteriores. Assumindo uma forma parecida à da proa de um navio, esta novidade estica-se em direção à baixa lisboeta e culmina numa vista impressionante da zona do Rossio e arredores. Até o rio entra neste enquadramento que, seguramente, fará parte de muitas fotos em redes sociais nos próximos tempos. Há sofás grandes e verdes, cadeiras no mesmo estilo e mesas baixas.

Nota-se que houve atenção redobrada nos pormenores — as mesas, por exemplo, têm uns suportes laterais em ferro onde se encaixam umas peças que servem como uma espécie de prato — e isso está patente em todo o lado, dos sofisticados talheres da marca portuguesa Cutipol às cerâmicas da Studioneves (atelier dos designers Gabi Neves e Alex Hel que se inspiraram na cor dos azulejos que revestem os prédios dos bairros da Mouraria ou Alfama) e os recipientes e utensílios da Rival, marca artesanal portuguesa que faz à mão peças como as tigelas ou as facas de madeira que aqui vai encontrar.

A zona coberta deste novo “rooftop”

A Comida

Aqui não há dissonâncias: a descontração do espaço e do staff (que usa uma normal t-shirt branca com um avental que até tem mosquetões à cintura) combina perfeitamente com o registo gastronómico onde reinam pratos de aspeto muito simples mas com vincados traços de técnica e criatividade — as pedras basilares daquilo que é a bistronomie contemporânea, essa tendência que já explodiu pela Escandinávia, Grã-Bretanha e França, principalmente, mas que agora começa a chegar mais em força a Portugal. A figura de maior destaque no aspeto culinário é João Rodrigues, claro, mas também há João Correia, que pensou todo o menu com o chef do Feitoria e nele também deixou a sua marca — será ele o chef residente deste projeto.

Tudo isto traduz-se em pratos que nunca têm mais de 3/4 sabores principais e que são pensados para partilhar. As doses não são enormes mas calma, não se exalte: é mesmo assim, afinal isto não é tecnicamente um restaurante, no sentido convencional da palavra, mas sim um gastrobar, um espaço essencialmente pensado para se vir beber um copo e picar qualquer coisa. Também existem opções mais substanciais (no menu caem na secção “Conforto”), claro, mas no geral, o objetivo deste Rossio nunca é deixá-lo empanturrado ou funcionar como um restaurante dito “normal”.

A deliciosa katsu sando de porco alentejano com pickle de cebola e coentros (12€). ©Fabrice Demoulins

Quer isto dizer que um casal que aqui venha, por exemplo, ficaria satisfeito pedindo três pratos (quatro, se tivessem mais fome) que podem ir das falsas cerejas de foie-gras para barrar em brioche tostado (4uni./10€) à César de frango do campo com queijo de S. Jorge com 30 meses de cura (8€), como entradas. Como “prato principal” há a diabolicamente saborosa Katsu sando de porco alentejano com pickle de cebola e coentros (12€) ou a mais “substancial” Lula com cogumelos shiitake e molho de manteiga cítrico (18€). No capítulo dos doces encontra uma seleção mais reduzida, com apenas três sugestões em que os gelados têm destaque especial. Prove a mistura de chocolate, avelã e fava tonka (6€) e a de Dolce de leite com banana e bolacha Maria (6€) — não se vai arrepender.

Quando o Observador visitou esta novidade o chef João Rodrigues andava a mil, atarefado de um lado para o outro. Mesmo assim conseguiu explicar que a ideia por trás desta oferta gastronómica é seguir os mesmos princípios que fizeram o Feitoria destacar-se, ou seja, apostar na “valorização de produto e pequenos produtores”, vontade que se torna mais difícil de alcançar por culpa do volume. Enquanto no fine dining estrelado do Altis Belém serve umas poucas dezenas de refeições por noite (30/40), a rotação neste Rossio Gastrobar é bem mais elevada.

A ligação com o Feitoria existe e não é escondida, quanto mais não seja porque o próprio cozinheiro pensa em “reutilizar” algumas coisas que lá costumava servir mas agora já não o faz — veja-se as cerejas de foie, um clássico. Pretende-se criar uma espécie de circuito criativo que se traduzirá numa troca de influências e “sinergias” entre o espaço Michelin, este Gastrobar e o futuro restaurante no Mercado da Ribeira, que abrirá no final do mês de maio.

O chef João Rodrigues.

O mundo dos cocktails também é levado muito a sério e será uma das várias âncoras deste espaço, seguramente. Das mãos (e cabeça) da bartender Flavi Andrade, brasileira que mora há cinco anos em Portugal, nasceram misturas como o refrescante Basil, que leva tequila, Agave com manjericão e vários licores que vão do Luxardo ao Chartreuse (13,50€) ou o Ginger, que junta uísque, rum, gengibre, cerveja Dois Corvos Metropolitan e café salgado (12€). A restante oferta de bebidas alcoólicas foi escolhida por André Figuinha, o sommelier do Feitoria, e aposta forte numa grande seleção de vinhos naturais e biológicos, outra grande tendência internacional que começa, mais e mais, a chegar a Portugal.

“Cuidado, está quente” é uma rubrica do Observador onde se dão a conhecer novos restaurantes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)