Presidente da República

José Miguel Júdice ameaça devolver Ordem do Infante D. Henrique se Marcelo não tirar grau de comendador a Berardo

11.487

"Não quero pertencer a uma ordem em que tenho como companheiro de caminho Joe Berardo", ataca Júdice, que pede a PR para retirar Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique a Berardo.

José Miguel Júdice foi distinguido como Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique pelo Presidente da República Jorge Sampaio

© Diana Quintela / Global Imagens

No seu espaço de comentário “As Causas”, na SIC Notícias, José Miguel Júdice ameaçou devolver a condecoração de Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique caso o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, não retire a Joe Berardo a Grã-Cruz da mesma Ordem.

Não quero fazer parte de uma ordem muito prestigiada em que tenho como companheiro de caminho Joe Berardo“, afirmou insinuando que o descontentamento se poderia estender a outros condecorados com graus similares: “[Marcelo Rebelo de Sousa] tira a condecoração ao senhor Berardo, ou os condecorados com a Ordem do Infante D. Henrique devem ir entregar as condecorações?”.

Justificando a ameaça, Júdice afirmou que “não tem nada pessoalmente contra” Joe Berardo, mas concluiu que vai “esperar algum tempo e se o Presidente da República entender que deve manter a condecoração ou não der uma boa explicação fica com mais uma para distribuir”.

A 9 de junho de 2005, José Miguel Júdice foi distinguido com a Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique pelo Presidente da República Jorge Sampaio.

Já Berardo recebeu o grau de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique a 13 de Março de 1985 pelo Presidente da República Ramalho Eanes. A 4 de Outubro de 2004, com Jorge Sampaio, recebeu a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nviegas@observador.pt
Eleições Europeias

Another brick in the wall?

Maria Castello Branco

Como todos os que desfrutaram da liberdade de circulação e do Erasmus bem sabem, a Europa é o pluralismo de nações, mas ela está demasiado centralizada e burocrática para que a diversidade seja ouvida

Crónica

Portugal, um país à prova de fake news /premium

José Diogo Quintela

Porra Vasily! Então, mas o que é que andas a fazer, pá? Portugal não necessita dos nossos trolls, nem das nossas fake news. Os partidos tradicionais encarregam-se de escangalhar a imagem da democracia

Eleições Europeias

Populismo e eleições europeias

Ricardo Pinheiro Alves

O crescimento do populismo xenófobo é alimentado pelo aumento do populismo igualitário, conduzindo a uma progressiva radicalização da vida pública como se observa actualmente nos países desenvolvidos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)