História

Padrão português com 500 anos foi roubado da Namíbia no século XIX. Vai ser devolvido

2.528

Diogo Cão ergueu o monumento na costa do território que hoje é a Namíbia em 1486. Reclamou para Portugal o terreno, mas tropas alemãs roubaram o padrão em 1893. Vai agora voltar à ex-colónia alemã.

O Museu Histórico da Alemanha vai devolver um padrão português da época dos Descobrimentos à Namíbia, local onde foi erguido por Diogo Cão em 1486, anunciou esta sexta-feira Monika Gruetters, ministra da Cultura alemã.

O padrão de 3,5 metros de altura foi erguido há mais de 500 anos pelo explorador Diogo Cão na costa central do território que hoje corresponde à Namíbia. Composto pelo brasão português e a cruz, o marco representava a reclamação da posse do território para Portugal. Na altura, desenhos de vários mapas apresentavam padrões portugueses, numa época em que Portugal controlava grandes porções de território um pouco por todo o mundo.

Mais tarde, durante o colonialismo do século XIX, a Alemanha ocupou a Namíbia e tornou o território num império colonial. Em 1893, um comandante da marinha mandou então retirar o padrão português do Cabo da Cruz. Transportado de volta para a Europa, o marco foi depois colocado no Museu Histórico Alemão, onde permaneceu até agora.

O padrão tem 3,5 metros de altura e pesa 350 quilos

Em 2017, o Governo da Namíbia pediu para que a Alemanha devolvesse o padrão de 350 quilos. Esta sexta-feira, o museu, que fica em Berlim, acedeu formalmente ao pedido.

A injustiça do período colonial tem sido suprimida e esquecida há demasiado tempo”, disse a ministra da Cultura alemã na cerimónia onde foi formalizada a devolução. “Esta restituição é uma contribuição para a reconciliação e o sentido de entendimento comum com o povo da Namíbia”, completou Gruetters.

Para o Governo do país africano, a devolução do artefacto é uma forma de confrontar e aceitar o passado. “O regresso da Cruz é um passo importante para nos reconciliarmos com o nosso passado colonial e o rasto de humilhação e injustiças sistemáticas que este deixou”, disse Andreas Guibeb, embaixador da Namíbia na Alemanha.

Em agosto, Monika Gruetters viajará acompanhada do presidente do Museu, Raphael Gross, para procederem à entrega formal do monumento à Namíbia.

Durante os séculos XIX e XX, grandes nações europeias conquistaram territórios além-mar, numa política de extensão do território conhecida como colonialismo. Em destaque, França, Reino Unido e Rússia detinham grandes territórios africanos e asiáticos. Na época, também Portugal detinha territórios e cidades em Angola, Cabo Verde, Moçambique, Índia e Brasil.

Nos últimos anos, vários países africanos têm exigido a museus da Europa a devolução de artefactos roubados durante a época das colónias. No ano passado, o presidente francês Emmanuel Macron anunciou a devolução de 26 estátuas roubadas em 1892 ao estado africano de Benin. Também o National Army Museum de Londres anunciou em março a devolução de um pedaço de cabelo do imperador Tewodros II, retirado durante a invasão dos britânicos à Etiópia em 1868. Já o British Museum dispôs-se a devolver à Nigéria tesouros em bronze roubados por tropas britânicas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)