Rádio Observador

Hospitais

Hospital de Loures diz que suportou mais de 2 milhões de euros em consultas além do contrato

O Sindicato dos Médicos da Zona Sul acusa o hospital de bloquear a marcação de segundas consultas. O hospital reitera que suporta um número de consultas muito superior ao previsto.

O hospital está obrigado, por imposição contratual, a realizar um número de primeiras consultas e consultas subsequentes

MIGUEL A. LOPES/LUSA

O Conselho de Administração do Hospital de Loures anunciou esta sexta-feira que suportou a realização de “mais de dois milhões de euros em consultas acima do contratado”, recusando as acusações do Sindicato dos Médicos da Zona Sul.

O Hospital Beatriz Ângelo tem entendido ser fundamental assegurar os melhores cuidados à população, realizando, por isso, todos os anos, um número de consultas muito superior (mais de dois milhões de euros em consultas acima do contratado, entre 2015 e 2018)”, anunciou em comunicado o Conselho de Administração do hospital.

O Sindicato dos Médicos da Zona Sul acusou esta sexta-feira o Hospital de Loures de estar a bloquear a marcação de segundas consultas, “caso se preveja que o número total de primeiras consultas seja inferior ao contratualizado anualmente com o Ministério da Saúde”.

Contudo, no comunicado, enviado pelo gabinete de comunicação do Grupo Luz Saúde, gestor do hospital, que é uma parceria público-privada (PPP), refere-se que, ao contrário do que alega o sindicato, “essas consultas não constituem um acréscimo nos valores pagos ao Hospital Beatriz Ângelo pelo Estado, antes apresentam-se como encargo coberto exclusivamente pelo acionista privado”.

O hospital está obrigado, por imposição contratual, a realizar um número de primeiras consultas e consultas subsequentes fixado pela Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) e, quando esse número é excedido, igualmente por imposição contratual, “tem o dever de referenciar os seus doentes para hospitais centrais da área de Lisboa, nomeadamente o Centro Hospitalar Lisboa Norte”, alega o conselho de administração.

A administração sublinha que, “apesar de a procura de consultas exceder anualmente esses valores, e não obstante os pedidos feitos pelo hospital desde 2015 para que os números impostos pela ARSLVT fossem aumentados”, o Hospital Beatriz Ângelo tem assumido o encargo dessas consultas.

“Sendo assim, não é verdade o que alega o Sindicato dos Médicos da Zona Sul, nem o Hospital Beatriz Ângelo compreende as afirmações que lhe estão a ser apontadas. Estamos a assegurar a atividade contratada, excedendo-a em muitas áreas, e a cumprir escrupulosamente o que foi contratado com o Estado”, responde o conselho de administração.

Segundo João Proença, do sindicato, “a gestão do hospital tem imposto aos médicos bloquear as segundas consultas”: “As pessoas querem marcar segundas consultas dos doentes que foram vistos e não conseguem porque os administrativos impedem de acontecer”.

O Sindicato dos Médicos da Zona Sul, disse João Proença, só agora conseguiu “fundamentação clara e óbvia e necessária para a denúncia sem que seja criado um problema que não seja verdadeiro”, tendo pedido uma auditoria ao Ministério da Saúde.

Para o sindicato, trata-se “de uma manobra na qual a Administração da PPP, por motivos económicos, impõe a realização de primeiras consultas aos médicos, desrespeitando os critérios clínicos, ao contrário do que aconselhariam os bons cuidados em saúde”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)