Rádio Observador

Ambiente

Quercus denuncia à UNESCO “ameaça severa” no Barroso por causa do lítio

3.011

A Quercus apresentou uma denúncia à UNESCO de "ameaça severa à integridade do sistema agro-silvo-pastoril da região do Barroso", devido à instalação de minas de lítio a céu aberto na região.

PEDRO SARMENTO COSTA/LUSA

A associação ambientalista Quercus apresentou uma denúncia à UNESCO de “ameaça severa à integridade do sistema agro-silvo-pastoril da região do Barroso”, devido à instalação de minas de lítio a céu aberto na região.

A região foi designada pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (Food and Agriculture Organization of the United Nations, FAO) como Património Agrícola Mundial.

“Em consonância e sintonia com a população de Boticas e de Montalegre, a Quercus, em defesa do património natural e do Património Agrícola Mundial do Sistema Agro-Silvo-Pastoril da Região do Barroso, apresentou denúncia formal à UNESCO, relativa à ameaça severa que representa a intenção de instalação de duas minas de lítio a céu-aberto, nesta região designada e reconhecida internacionalmente pelas suas características únicas a nível mundial”, diz a associação em comunicado.

No início do mês, numa sessão de esclarecimento em Montalegre, muitos populares mostraram-se contra a mina a céu aberto prevista para Morgade. Numa altura em que já foi assinado o contrato de exploração entre o Estado português e a empresa Lusorecursos, na freguesia de Morgade está a constituir-se a associação “Montalegre com Vida”, que pretende lutar contra a mina.

No último domingo, na cerimónia de abertura do Castelo de Montalegre, populares cantaram a “Grândola Vila Morena” em protesto contra a mina de Morgade.

No comunicado enviado à agência Lusa esta quinta-feira, a Quercus diz que “é imperioso um esclarecimento” da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) sobre a manutenção da designação de “Património Agrícola Mundial do Sistema Agro-Silvo-Pastoril” para a Região do Barroso, caso se instalem as explorações mineiras de lítio.

A associação assegura também que “vai utilizar todos os meios ao seu alcance para parar os atentados ambientais que estão em preparação”.

E garante que vai apoiar a luta das populações das diversas regiões do país ameaçadas pela exploração de lítio.

No dia 22, na Covilhã, a Quercus vai organizar o “1.º Fórum Nacional de Ambiente e Lítio — A problemática do lítio no contexto nacional”.

Na quarta-feira a Câmara de Pampilhosa da Serra, distrito de Coimbra, anunciou discordar em absoluto de um projeto para extração de lítio na região.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Minas

O lítio. Contra a desinformação marchar, marchar!

Filipe Anacoreta Correia

A extração do lítio não representa um retorno elevado e a acontecer seria o mais grave atentado à riqueza do nosso país: o desenvolvimento sustentável e a preservação do seu património natural.

Ambiente

Frango à Covan /premium

Paulo Tunhas

Para uma vasta parte da humanidade ocidental, nada há de mais apetecível do que um certo sentimento de culpa própria. Por estranho que pareça, esse sentimento comporta um notório benefício narcísico. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)