Rádio Observador

Acordo Nuclear

Irão ameaça ultrapassar limite de reservas de urânio estabelecido no acordo nuclear dentro de dez dias

"Hoje começou a contagem regressiva para ultrapassar os 300 quilos de reservas enriquecidas de urânio", disse Behrouz Kamalv. Anúncio foi feito depois de acusações ao Irão sobre ataques a petroleiro.

O porta-voz da Organização iraniana de Energia Atómica, Behrouz Kamalvandi

AFP/Getty Images

O porta-voz da Organização Iraniana de Energia Atómica, Behrouz Kamalvandi, revelou esta segunda-feira que o país vai ultrapassar, dentro de dez dias, o limite de reservas de urânio enriquecido que foi estabelecido no acordo nuclear de Teerão com as potências mundiais. A ameaça surge depois de os Estados Unidos ter acusado o país do Médio Oriente de ser o responsável pelo ataque a dois petroleiros.

“Hoje começou a contagem regressiva para ultrapassar os 300 quilos de reservas enriquecidas de urânio e daqui a 10 dias, ou seja, a 27 de junho, vamos ultrapassar esse limite”, afirmou Behrouz Kamalvandi em conferência de imprensa emitida pela televisão estatal iraniana.

Se o Irão sente que as sanções foram restabelecidas ou não foram suspensas, tem o direito de suspender parcial ou totalmente os seus compromissos”, referiu Kamalvandi, referindo-se às sanções que foram suspensas como parte do acordo nuclear, mas que foram restabelecidas desde então.

O acordo assinado em 2015 com o chamado grupo P5+1 — China, Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia, Alemanha e Estados Unidos (embora este país tenha abandonado o acordo no ano passado — determina que o Irão só pode produzir urânio enriquecido até um limite de 300 quilogramas e não pode exceder os níveis de baixo enriquecimento, de 3,67%.

O porta-voz da Organização iraniana de Energia Atómica lembrou, nas declarações desta segunda-feira, que o Irão já quadruplicou a sua produção de urânio pouco enriquecido, embora na altura a Rússia tenha garantido que esse aumento estava a ser realizado sob o controle da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA).

Os comentários do porta-voz iraniano surgem depois do caso de dois petroleiros (um norueguês e outro japonês) que foram atacados no golfo de Omã, perto do estreito de Ormuz na passada quinta-feira. A suspeita é que a explosão de pelo menos um dos navios tenha sido provocada por uma mina colocada no casco. Mike Pompeo, secretário de Estado dos EUA, e o ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Jeremy Hunt, responsabilizaram o Irão pelo incidente, algo que o país do Médio Oriente considerou ser uma campanha “iranofóbica”.

A escalada da tensão entre os Estados Unidos e o Irão, com o país do Médio Oriente a ameaçar com o regresso ao enriquecimento de urânio no caso de as principais potências mundiais não negociarem um novo acordo nuclear, levou Mike Pompeo a uma viagem pela Europa numa verdadeira campanha de sensibilização.

Por sua vez, o governo japonês pediu este domingo aos Estados Unidos mais provas para sustentar a afirmação de que o Irão é o responsável pelos ataques de quinta-feira contra dois petroleiros no Golfo de Omã. “Se ter o nível necessário de especialização é considerado um argumento convincente para determinar que foi o Irão, isso também se aplicaria aos Estados Unidos e a Israel”, disse à agência Kyodo fonte do Ministério dos Negócios Estrangeiros japonês.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)