Rádio Observador

Refugiados

Portugal já acolheu mais de 1.800 refugiados desde 2015

636

A maior parte dos refugiados que chegaram a Portugal vieram da Grécia. Maioria são sírios do sexo masculino. Número de menores é superior aos adultos e ascende a 882.

Portugal foi o 6.º país da União Europeia que mais refugiados acolheu ao abrigo do Programa de Recolocação

MOHAMMED SABER/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Portugal já acolheu, desde 2015, mais de 1.800 refugiados através de vários programas, anunciou esta quarta-feira o Governo.

Num comunicado conjunto do Ministério da Administração Interna (MAI) e do Ministério da Presidência e da Modernização Administrativa, o Governo dá conta de que Portugal já recebeu 1.870 pessoas refugiados, provenientes de programas de recolocação, de reinstalação e de resgates no mar Mediterrâneo.

Ao abrigo do programa de recolocação, da responsabilidade da Comissão Europeia e que terminou em março de 2018, Portugal recebeu 1.552 refugiados, dos quais 1.192 vindos da Grécia e outros 360 chegados de Itália.

Do total, entre 982 requerentes do sexo masculino e 570 do sexo feminino, 730 eram maiores de 18 anos e 822 menores de 18 anos e, maioritariamente, cidadãos da Síria (837), Iraque (338) e Eritreia (338)”, lê-se no comunicado.

O Programa Voluntário de Reinstalação do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) colocou em Portugal apenas 196 das 1.010 pessoas que o país se comprometeu a acolher, o que representa apenas 19,4% dessa meta.

De acordo com a informação do Governo, até ao momento chegaram 62 pessoas a partir de campos de refugiados na Turquia e mais 134 a partir do Egito ao abrigo do programa do ACNUR.

Além destes dois programas, chegaram a Portugal mais 122 refugiados desde o verão de 2018, na sequência de resgates feitos por navios humanitários no mar Mediterrâneo.

O Governo anunciou também que Portugal vai ainda receber mais 100 pessoas que estão em campos de refugiados na Grécia, resultado de um acordo bilateral entre os dois países, mas não revela quando é que isso vai acontecer.

Para além de ter sido o 6.º país da União Europeia que mais refugiados acolheu ao abrigo do Programa de Recolocação, Portugal (…) tem respondido sempre positivamente a todas as situações de emergência que têm sido colocadas nos últimos meses, em consequência dos resgates de migrantes no Mediterrâneo por navios humanitários”, sublinham os dois ministérios.

De acordo com a informação divulgada, há mais de 100 municípios envolvidos no acolhimento de todas estas pessoas, sendo que o modelo de acolhimento escolhido foi o de descentralizar, com base na comunidade e assente em consórcios público-privados “e acompanhado de um esforço ao nível das políticas públicas, de modo a responder a todas as necessidades”.

Relativamente às pessoas acolhidas desde 2015, o Governo salienta que os indicadores de integração mostram que 92% delas tiveram aprendizagem da língua portuguesa, todas acederam a cuidados de saúde, todas as crianças e jovens em idade escolar frequentam o sistema de ensino e quase metade (43%) dos adultos estão integrados no mercado de trabalho ou em programas de formação.

O Governo português lembrou ainda que políticas migratórias portuguesas foram, recentemente, reconhecidas pela ONU, com a atribuição do Prémio de Serviço Público aos Centros Nacionais de Apoio à Integração de Migrantes, do Alto Comissariado para as Migrações.

Quinta-feira, assinala-se o Dia Mundial do Refugiado, uma data que “assinala a força, a coragem e a determinação das pessoas que são forçadas a deixar as suas casas e os seus países devido a guerras, perseguições e violações de direitos humanos”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Imigração

Um desafio exaltante

Guilherme Valente

O grande desafio do nosso tempo é organizar uma política da emigração justa, viável, bem-recebida, aceitável pelos europeus. A Europa não conseguirá ser de facto o refúgio e o emprego do mundo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)