Rádio Observador

Angola

Deputada angolana condena instituições que alegadamente exigem testes de VIH/Sida para contratar

A deputada angolana Eulália Rocha condenou "a exigência de testes" de VIH/Sida nos processos de recrutamento de algumas instituições em Angola, considerando ser uma "atitude inaceitável".

Das 310.000 pessoas que vivem no país com VIH/Sida, cerca de 27.000 são crianças, 190.000 mulheres e 21.000 grávidas

JON HRUSA/EPA

A deputada angolana Eulália Rocha condenou esta quinta-feira a atitude de algumas instituições do país por “supostamente exigirem testes de VIH/Sida para contratar”, considerando ser uma “atitude inaceitável” e que deve ser denunciada.

“Porque se a lei não prevê e essa pessoa ao ir pedir o emprego lhe for exigido o teste de VIH/Sida ela tem de denunciar esses aspetos porque temos de trabalhar com a lei, a denúncia é importante, porque estamos diante de uma ação condenável”, disse esta quinta-feira a deputada do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA, no poder), em declarações à Lusa.

A Lusa noticiou em 26 de junho passado que a ativista angolana Carolina Pinto, seropositiva, denunciou que instituições em Angola “continuam a exigir testes” de VIH/Sida para contratar, “inclusive a empregadas domésticas“, afirmando que “persiste no país uma discriminação a vários níveis“.

A discriminação persiste sim e a vários níveis, nas instituições, seja pelo empregador, seja pelos colegas, e prova disso é que ainda continuamos a pedir testes de VIH/Sida para ingressar no emprego e até a empregadas domésticas estão a pedir os testes”, afirmou a ativista, em declarações aos jornalistas, à margem de um encontro que abordou a doença.

“Não acredito que após o resultado positivo ela possa ser empregada, então está claro que a discriminação existe e a vários níveis e precisamos de fazer alguma coisa para combater”, adiantou, alertando que a discriminação pode contribuir para o aumento do número de pessoas infetadas.

Esta quinta-feira, a deputada do MPLA, partido no poder em Angola e membro da Comissão dos Direitos Humanos, Reclamações e Petições dos Cidadãos do parlamento angolano, afirmou que discriminação dessa natureza “é inaceitável”.

E nem quem tenha a doença não pode ser afastada do seu local de trabalho, não podemos ter essas formas de ver as coisas por se tratar de uma discriminação inaceitável, porque quem tem VIH/Sida pode sim trabalhar”, defendeu.

Questionada sobre se as referidas queixas chegam ao domínio da Comissão que integra, a deputada Eulália Rocha deu conta que “questões laborais e expropriação de terras” lideram as queixas a nível da comissão que “nunca recebeu queixas em relação ao VIH”.

O Instituto Nacional de Luta contra Sida (INLS) angolano anunciou, em maio, que pelo menos 13.000 pessoas morrem anualmente em Angola vítima da doença e que das 310.000 pessoas que vivem no país com VIH/Sida, cerca de 27.000 são crianças, 190.000 mulheres e 21.000 grávidas.

A taxa de prevalência do país segundo as autoridades é de 2,0%.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)