Rádio Observador

Lua

Rússia planeia chegar à Lua em 2030, 61 anos depois do desembarque americano

Após 61 anos da ida americana à Lua, a Rússia planeia pôr os pés em solo lunar em 2030, ao mesmo tempo que a NASA planeia uma segunda ida em 2024 com o objetivo maior de chegar a Marte.

Pegada do astronauta Neil Armstrong na Lua, em 1958, pela missão Apolo 11

NASA HANDOUT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A Rússia prepara-se para ir à Lua em 2030, 61 anos depois de os Estados Unidos terem ganho a corrida lunar à União Soviética, que tinha sido pioneira nas viagens espaciais.

A agência espacial norte-americana, a NASA, planeia uma missão tripulada à Lua em 2024 como primeiro passo de um objetivo maior: chegar a Marte.

Quanto à Roscosmos, a agência russa, está desde 2009 à espera que esteja concluída uma nave espacial de nova geração chamada “Federação”, com capacidade para seis tripulantes, cujo primeiro voo está planeado para 2022.

O projeto da empresa estatal Energia tem sofrido sucessivos atrasos e o diretor-geral da Roscosmos, Dmitri Rogozin, admitiu na rede social Twitter que foi preciso “despedir indolentes” responsáveis por problemas de organização.

Em 1969, por decreto da liderança comunista, os soviéticos não puderam ver em direto na televisão a chegada à Lua da missão Apolo 11, que levou os astronautas Neil Armstrong, Edwin “Buzz” Aldrin e Michael Collins ao solo lunar, onde ficou hasteada uma bandeira dos Estados Unidos.

“Considero, como considerei na altura, que o nosso povo foi roubado: o voo lunar foi um feito de toda a Humanidade”, afirmou em entrevista à agência Ria Novosti o cosmonauta Alexei Leonov, o primeiro ser humano a fazer uma caminhada espacial.

Leonov, com os outros cosmonautas, foi uma das únicas pessoas na União Soviética a conseguir assistir às imagens da descida do módulo lunar da Apolo 11 e ao desembarque dos astronautas Armstrong e Aldrin.

Era o seu nome que estava no topo da lista para a missão lunar soviética, que esteve prevista para acontecer em 1968, mas nunca se realizou. A missão tripulada à Lua ficou congelada e, oficialmente, o foco passou a estar no envio de veículos automáticos não tripulados. Na verdade, a URSS não tinha na altura um foguetão suficientemente potente e fiável para enviar humanos à Lua.

“Neil Armstrong é um dos heróis, mas não é o mais importante. Eu cresci a ver [o cosmonauta russo] Yuri Gagarin e o passo que o americano deu na Lua foi mais um na conquista do Espaço”, disse à agência Efe o cosmonauta Fiodor Yurshijin, com 60 anos e cinco voos espaciais no currículo.

Yurshijin afirmou que a Lua é “a primeira estação nas viagens interplanetárias tripuladas do futuro” e assinalou que “é um corpo celeste suficientemente grande para ali desenvolver a tecnologia que permita aos seres humanos viver noutro planeta”.

O cosmonauta considerou que a cooperação internacional é essencial para desenvolver a investigação, já que “nenhum país tem dinheiro para o conseguir isoladamente”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)