Rádio Observador

Séries

Ator português é (o icónico) Francisco Lázaro em série japonesa

1.031

Faz 107 anos que morreu o atleta, nos primeiros Jogos Olímpicos com participação portuguesa. É tempo de fazer chegar este pedaço de história a outro continente.

Eduardo Breda é Francisco Lázaro na série japonesa "Idaten"

NHK

Eram seis os atletas perfilados para representar Portugal nos Jogos Olímpicos de 1912. Entre eles, a promessa do Benfica Francisco Lázaro. Maratonista, havia nascido 24 anos antes no bairro lisboeta com o mesmo nome do clube. Cedo se fez à vida a correr. Dizem os poucos registos que existem sobre ele que corria para todo o lado. Quando era “a sério”, em competição, fazia tempos que o poderiam levar a uma boa posição para Portugal na estreia da participação na maior competição multi-desportos do mundo.

O destino foi Estocolmo, na Suécia. Mais de um século depois, viajou também para lá Eduardo Breda com a missão de ser um novo Francisco Lázaro na série japonesa Idaten: Tokyo Olympics Story. “Dedicaram muito tempo à personagem, quiseram recriar muitos momentos do treino do Lázaro e quiseram, durante a maratona, demarcar uma relação de competitividade entre o japonês e o português mas sempre com um sorriso no rosto”, lembra o ator. “O japonês” é o protagonista: Shizo Kanakuri, primeira presença do Japão nos mesmos Jogos Olímpicos, a competir na maratona lado a lado com Lázaro.

“Estavam 32 graus à sombra, a prova foi sendo sucessivamente adiada por causa do calor”, recorda Eduardo. Foi a alta temperatura uma das razões mais fortes apontadas para que, ao quilómetro trinta, Lázaro tivesse caído inanimado na pista. Viera a morrer na manhã no dia seguinte, já no hospital, depois de uma injeção e do diagnóstico de meningite. Ficou por saber por que razão morreu Lázaro, mas muito se palpitou. Era a “emborcação”, uma mistura para estimular os músculos normalmente aplicada sob a pele; ou a estricnina, uma substância para evitar a fadiga tomada por alguns atletas da altura. Armando Cortesão, outro dos seis atletas estreantes nos Jogos Olímpicos, veio mais tarde acusar a causa da morte à utilização de sebo na pele por parte de Lázaro. Na autópsia, nada disto ficou provado.

Com mais cinco anos do que teria Lázaro quando morreu, Eduardo acusa a dificuldade de representar, pela primeira vez, uma pessoa que viveu mesmo e, ainda para mais, da qual quase não há registos. Se por um lado, “estava sempre a tropeçar nas mesmas imagens” do atleta, por outro lado faltava o “espaço para criar características que podiam não corresponder à realidade”. O foco esteve na ambição do atleta e na melancolia da história que perpetuou.

Lázaro deixou Sofia, sua namorada, grávida de cinco meses em Portugal. Foi na despedida antes de partir rumo à Suécia, num cais de Lisboa, que haveria dito “Ou ganho, ou morro”. E morreu.

Para simular o desmaio em prova, Eduardo teve de “dar muitas voltas de corrida à pista”, em Estocolmo. Confessa que, “quando vi os guiões, percebi que ia haver muita corrida” e teve receio de não ter traquejo necessário para o papel, por falta de preparação física. Saiu das rodagens com a sensação de ter tido uma das melhores experiências da carreira até agora.

Natural do Porto, o ator de 29 anos tem feito carreira principalmente no teatro.

Com 29 anos, o ator natural do Porto já fez televisão e cinema mas é no teatro que tem deixado mais suor, logo desde o segundo ano do curso da Escola Superior de Teatro e Cinema. Nos últimos tempos, tem “trabalhado muito” com o Teatro Experimental do Porto, colaborou recentemente com o Teatro da Comuna e em 2020 vai apresentar um espetáculo com texto original resultante de uma co-criação com a atriz Joana de Verona. Ao Observador confessa que a experiência internacional com a série japonesa ajudou a que se sinta “completamente inspirado para continuar a criar”.

Num mundo que cada vez mais reclama por fronteiras, eu pude gravar uma série internacional e partilhar um discurso artístico com pessoas de outros países” Eduardo Breda

“Toda a gente estava muito entusiasmada por, de repente, eu estar lá porque toda a gente conhecia a história do Francisco Lázaro”, recorda. Enquanto as cenas exteriores foram gravadas em Estocolmo, as interiores foram gravadas na capital japonesa em estúdios “tecnologicamente já noutra zona”, descreve Eduardo.

A série da emissora japonesa NHK estreou-se este ano e tem como objetivo promover os jogos olímpicos de 2020, em Tóquio.

Estando o Japão já a ser preparado para os Jogos do ano que vem, Eduardo presenciou fora de estúdio uma evolução de mais de cem anos face ao que se passava dentro de estúdio. “Estava a gravar em Tóquio, nos estúdios, a série referente a 1912  e, quando saía cá para fora, via a cidade a ser reconstruída para os Jogos Olímpicos de 2020. Parecia que a cidade estava a rimar com a experiência que eu estava a ter”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jascensao@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)