Rádio Observador

Protestos

Trabalhadores e utentes dos transportes públicos protestam em Lisboa

Protesto surge no seguimento de uma tribuna pública onde foi denunciada a destruição de 4.823 postos de trabalho em empresas como a CP, EMEF, IP, Metropolitano de Lisboa, Transtejo e Soflusa.

Neste âmbito, trabalhadores e utentes dos transportes públicos exigem a reposição dos trabalhadores que saíram nos últimos anos

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Trabalhadores e utentes dos transportes públicos protestam nesta quarta-feira, em frente à residência oficial do primeiro-ministro, em Lisboa, para exigir mais recursos no setor, lembrando que, nos últimos 15 anos, foram “destruídos 4.823 postos de trabalho”.

Promovida pela FECTRANS – Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações, a concentração de protesto, que se realiza pelas 17h, reúne organizações de trabalhadores do setor dos transportes, nomeadamente sindicatos e comissões de trabalhadores, organizações de utentes e outras organizações sindicais.

Para “exigir mais trabalhadores e mais transportes”, o protesto surge no seguimento de uma tribuna pública, realizada em 25 de junho, no Cais do Sodré, em Lisboa, onde foi denunciado que, “nos últimos 15 anos, na CP – Comboios de Portugal, EMEF – Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário, IP – Infraestruturas de Portugal, Metropolitano de Lisboa, Transtejo e Soflusa, foram destruídos 4.823 postos de trabalho, que fazem falta para que os utentes tenham um serviço público de transportes com qualidade e que responda às suas necessidades”.

Neste âmbito, trabalhadores e utentes dos transportes públicos exigem a reposição dos trabalhadores que saíram nos últimos anos.

“Estivemos nesta tribuna pública a colocar um problema que é central para a resolução dos diversos problemas com que temos sido confrontados nas empresas de transportes”, explicou à Lusa o coordenador da FECTRANS José Manuel Oliveira, reafirmando que “é preciso haver investimentos”, mas defendendo simultaneamente que sejam admitidos cerca de 5 mil trabalhadores – os mesmos que entre 2004 e 2018 saíram da CP – Comboios de Portugal, EMEF, Infraestruturas de Portugal, Metropolitano de Lisboa, Soflusa e Transtejo.

Nos últimos anos, nestas seis empresas públicas, saíram 4.823 trabalhadores, “o que corresponde a uma diminuição de 35% do efetivo total”, disse o dirigente sindical, lembrando que “são estes os trabalhadores que, no mínimo, fazem falta para assegurarem um serviço público regular, com qualidade e seguro” aos utentes dos transportes públicos.

José Manuel Oliveira alertou também para o facto de a situação “não se resolver com medidas pontuais, 10 trabalhadores aqui e 50 acolá noutra empresa”.

Temos de olhar para aquilo que foi a evolução negativa nos últimos 15 anos […]. E a partir daqui começar, se quisermos ter uma solução para o problema e repor a capacidade de resposta destas empresas ao nível da procura, pois esta aumenta cada vez mais devido a uma medida que consideramos positiva, afirmou, referindo-se à redução do preços dos passes.

A FECTRANS entende que a redução de 35% do efetivo global das seis empresas ficou a dever-se “às políticas que foram seguidas”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Privacidade

Gratuito é mentira

João Nuno Vilaça

Que estamos a ceder em troca destas aplicações e serviços gratuitos? A nossa alma? Quase. Estamos a ceder os nossos dados, que são extremamente valiosos e pessoais. São o recurso mais valioso do mundo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)